Vinho Italiano

A história curiosa do vinho Lachrima Christi

A Itália é um dos maiores produtores de vinho do mundo, com rótulos muitos famosos. Um deles é o Lachrima Christi, um dos vinhos mais emblemáticos da Itália. Produzido com uvas cultivadas aos pés do Vulcão Vesúvio, esse vinho encorpado e de alto teor alcóolico tem encantado não só os italianos, mas os apreciadores de um bom vinho em todo o mundo. O vinho possui um local de destaque dentro da produção de vinhos italianos, e uma história um tanto quanto curiosa, que contaremos neste texto.

A história curiosa do Lachrima Christi

Existem várias lendas para o nome com a qual o vinho é conhecido. A mais famosa diz que Lúcifer, o Anjo Caído, veio a habitar o Monte Vesúvio após ser expulso do Paraíso. Do alto da montanha, expelia bolas de fogo que destruiam tudo à sua volta. Cristo, entristecido com aquela visão, começou a chorar. Suas lágrimas caíram aos pés do monte, dando origem às videiras das quais nasceram as uvas com a qual o vinho é feito. Outra versão conta que Lúcifer, ao cair do céu, arrancou um pedaço do Paraíso que se transformou no Golfo de Nápoles, arrancando as lágrimas de Jesus.

vinho Lachrima Christi
Foto: Vivino

Não é de hoje que o solo do Monte Vesúvio permite a produção de uma série de produtos. Os romanos já sabiam dessa característica do solo local, plantando uvas que lhes permitiam produzir saborosos vinhos. O poeta romano Marcial dizia que Baco, o deus do vinho, adorava as colinas do vulcão, pois era de lá que vinha o mais delicioso néctar.

A lava e as cinzas que foram expelidas pelo Vesúvio ao longo dos séculos são extremamente ricas em minerais como ferro, magnésio e potássio, fazendo com que o terreno da região seja extremamente fértil. Como resultado disso, temos uvas que possuem um sabor e perfume inconfundíveis. Além das uvas, também são cultivados no entorno do Vesúvio os famosos tomates cereja, damascos e brócolis, além de vários tipos de cogumelos.

Durante a Idade Média coube aos padres que viviam nas inúmeras igrejas e monastérios, dar continuidade ao costume de produzir vinhos. Existem dois motivos para o fato do vinho da região ter um alto teor alcoólico. Em primeiro lugar, os padres eram submetidos a longos períodos de jejum alimentar em dias de missa, e por isso precisavam de um vinho que suprisse a falta de alimentação e os sustentassem até que pudessem voltar a comer. O outro motivo era a conservação do vinho. Quanto mais alcóolico, mais tempo ele durava.

Em geral, as igrejas produziam seus próprios vinhos, e as melhores uvas eram separadas para que, com elas, fosse feito o vinho que seria consumido durante as missas. Os barris onde esse vinho era armazenado costumavam ser marcados com as letras XPTO, que em grego significa Christo, indicando ser aquele um vinho de missa. Essa também é uma das possíveis origens para o nome Lachrima Christi, já amplamente conhecido no período medieval.

Com o tempo, o costume de reservar as melhores uvas adquiriu apelo comercial, principalmente quando produtores locais, sem ligação com a igreja, passaram a produzir e comercializar o vinho. O que antes era reservado para as missas agora passou a ser sinônimo de excelência, tornando o vinho da região um produto muito valorizado e famoso. Dessa forma, e aproveitando-se da qualidade das uvas que só são encontradas nas encostas do Vesúvio, surgiu um produto com origens bem definidas e controladas, sabor inconfundível, e valor histórico de grande importância.

Onde o vinho é produzido?

Atualmente, a área em torno do Vesúvio abriga uma grande produção do vinho Lacrima. O vinho é produzido nos seguintes municípios: Boscotrecase, Trecase, San Sebastiano al Vesuvio, Ottaviano, San Giuseppe Vesuviano, Terzigno, Boscoreale, Torre Annunziata, Torre del Greco, Herculano, Portici, Cercola, Pollena Trocchia, Sant’Anastasia e Somma Vesuviana.

Saiba mais sobre outras regiões da Itália

vinho Lachrima Christi

As uvas do Vesúvio

As uvas produzidas na região (a maioria delas são apenas encontradas por lá) possuem um sabor e aromas únicos, que aumentam ainda mais o valor e a importância do vinho local. As uvas utilizadas na produção do Lachrima Christi são as seguintes:

  • Coda di volpe bianca (também chamada de Capretone);
  • Verdeca;
  • Falanghina;
  • Greco di Tufo;
  • Piedirosso (também chamada de Palummina);
  • Sciascinoso (também chamada Olivella);

Quais são os tipos de vinhos Lachrima Christi?

Os vinhos Lachrima Christi tem um sabor intenso, marcado pelo alto teor alcoólico. Para ser considerado um Lachrima Christi e ter a certificação de qualidade DOC (Denominazione di Origine Controllata), o vinho deve possuir uma graduação alcoólica mínima de 12 %, mas não é incomum encontrar vinhos com graduação alcoólica ainda maior. Os tipos de vinho Lachrima Christi produzidos são os seguintes:

Lachrima Christi Bianco

Esse vinho possui uma cor clara e um odor vinoso agradável. Seu sabor é seco e ligeiramente ácido. Utiliza as uvas Coda di volpe bianca e / ou Verdeca (até 80%), Falanghina e / ou Greco di Tufo (até 20%) para atingir o teor mínimo de álcool de 12%. É um vinho que  combina com frutos do mar em geral, vegetais, queijos frescos e sobremesas.

Lachrima Christi Rosso

Vinho tinto de cor vermelho rubi e odor agradavelmente vínico. Possui um sabor seco, porém mais suave que o branco. Utiliza um mix de uvas Piedirosso e / ou Sciascinoso (até 80%), mais a uva Aglianico (max 20%). Harmoniza bem com pratos como assados e aves nobres e queijos com sabor mais forte e apimentado.

Lahcrima Christi Rosato

De cor rosé (com diferentes intensidades), odor agradável e sabor seco. É feito com as uvas Piedirosso e / ou Sciascinoso (até 80%) e Aglianico (max 20%). Combina com carnes brancas, vegetais e alguns frutos do mar.

Segundo os especialistas, estudos apontam que o Lachrima Christi é o vinho mais próximo daquele que era bebido pelos antigos romanos.

É importante não confundir o Lacrima Christi com outro vinho italiano muito famoso: o Lachrima di Morro d’Alba. Esse vinho é um DOC produzido na província de Ancona, região do Marche, e que utiliza a uva lacrima, cujo nome deriva de seu formato semelhante a uma lágrima.

vinho Lachrima Christi
Foto: Sobre Vinhos e Afins

As vinícolas do Vesúvio

Atualmente são seis as vinícolas que produzem o vinho DOC Lacrima Christi dentro do território especificado onde as uvas são produzidas. São elas:

  • Società agricola Villa Dora srl, localizada no município de Terzigno;
  • Casa Vinicola Setaro, localizada em Trecase;
  • Azienda Vinicola Sorrentino; localizada em Boscotrecase;
  • Terre di Sylva Mala, também localizada em Boscotrecase;
  • Fioravante Romano, localizada em Ottaviano;
  • Indústria Vinícola Campana di Gabriele De Falco, localizada no município de San Sebastiano al Vesuvio.

Existem ainda outras vinícolas produzindo o vinho fora desse território, mas sempre utilizando as uvas da região e as regras de certificação, tais como a Mastroberardino (localizada no município de Atripalda), De Ângelis (localizada em Sorrento) Feudi di San Gregorio (próxima de Avellino), Bosco de Medici, em (Pompeia), Terredora di Paolo (em Montefusco) Tenuta Peppe (em Sant’Angelo all’esca), Antonio Caputo (em Acerra) e a Azienda Vinicola Sannino, em Herculano, entre outras.

Veja mais sobre a região da Campânia

vinho Lachrima Christi
Foto: Mistral

O vinho Lacrima português

Até o início do século XX, era produzido na região do Douro, em Portugal, um vinho do porto chamado Lacrima Christi, exatamente como o vinho produzido nas encostas do Vesúvio. Esse fato gerou muita confusão, pois alguns consumidores compravam esse vinho pensando ser o vinho produzido na Itália, e vice-versa. Os produtores italianos reagiram, e teve início um longo processo, após o qual os produtores portugueses foram impedidos de utilizar o nome completo, passando a utilizar apenas a imagem de Cristo e a palavra lágrima no rótulo, algo que se mantém até hoje.

Como chegar até a região?

As vinícolas produtoras de vinho estão espalhadas ao redor do monte, portanto, o caminho vai depender de qual vinícola você vai visitar. Se você pretende conhecer outros pontos de interesse, como o próprio vulcão, ou ainda as ruínas arqueológicas de Pompéia e Herculano, a melhor maneira de fazê-lo é de carro. A auto estrada A3 (que liga Nápoles e Salerno) passa por algumas das localidades onde o vinho é produzido, e é a principal rota rodoviária para a região.

Para quem vem de trem, o ideal é descer na estação Ercolano Scavi, ou Pompei Scavi, e de lá pode pegar um táxi ou contratar um passeio até os vinhedos. Nós temos um tour com motorista até a base do vulcão para degustar o vinho.

Vale a pena visitar a região?

Conhecer as vinícolas da região do Vesúvio (e provar o Lacrima Christi) não é um passeio indicado apenas para quem gosta de vinho e se interessa pela sua produção. A região onde o Vesúvio está localizado é um local emblemático dentro da Itália, carregada de história e cultura, e atrai a atenção dos mais variados públicos. São diversas atrações e locais interessantes para visitar, portanto, vale muito a pena incluir a região do Vesúvio em sua viagem.

Caso queira conhecer ainda melhor a região, considere fazer um passeio conosco. Temos várias opções de passeio por lá, como por exemplo, um passeio com guia para quem quer visitar o cume do vulcão, além de um tour pela Pompéia com guia em português.

Sobre Deyse RibeiroDeyse Ribeiro é natural de Minas Gerais, mas vive na Toscana desde 2007. Fez curso de sommelier na FISAR, master em Wine Expert (Academia del Gusto) e Guia Enológica na Itália. É empresária, guia de turismo, especialista em turismo de experiência na Itália, além de editora do Portal Tour na Itália, e deste site.

2 comentários em “A história curiosa do vinho Lachrima Christi”

  1. Swyenne Rabêlo

    Oi Deyse, tudo bem?
    Tenho um viagem marcada para a Costa Amalfitana para o período de 24 a 29.03.23. Temos (4 adultos) interesse em conhecer pompéia, o vulcão e um tour de degustação de vinho com almoço.
    Você poderia nos ajudar?
    Obrigada, Swyenne

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *