Vinho Italiano

Os vinhos do Piemonte

A prestigiosa terra do vinho italiano é frequentemente identificada com grandes vinhos tintos, mas Piemonte também surpreende pela produção de ótimos vinhos brancos e espumantes.

O papel do Piemonte no desenvolvimento da moderna enologia italiana é, e tem sido, fundamental: é precisamente nesta região que a extraordinária revolução que levou a Itália de volta ao topo da produção de alta qualidade começou. Nomes como Barolo, Barbaresco, Nebbiolo e Barbera são apenas alguns exemplos de vinhos e uvas que evocam em todos os entusiastas pensamentos relacionados com a qualidade e a excelência enológica. No entanto, a herança do Piemonte também é rica em vinhos agradáveis ​​e aromáticos de uvas brancas.

Do ponto de vista enológico, o Piemonte, se comparado com as outras regiões da Itália, representa uma espécie de exceção: aqui os vinhos são na sua maioria varietais, os vinhos de corte são minoria. Além disso, a viticultura do Piemonte é frequentemente baseada no conceito de terroir e cru: um determinado vinho é produzido exclusivamente com uvas de diferentes vinhas, cujo nome também é utilizado para a definição do próprio vinho. Famoso é o exemplo de dois grandes vinhos piemonteses, Barolo e Barbaresco, que refletem fielmente esse conceito de produção. Nomes como Bussia, Lazzarito, Cerequio, Rocche e Brunate são alguns exemplos de crus Barolo, assim como Rabajà, Asili e Montestefano para Barbaresco. As áreas de Barolo e Barbaresco também oferecem exemplos para o conceito de terroir usado no Piemonte. Nestas duas áreas, localidades foram identificados com características peculiares e que conferem aos vinhos a sua personalidade. Locais como La Morra, Barolo, Serralunga d’Alba, Monforte d’Alba e Castiglion Falletto são as áreas “escolhidas” de Barolo, enquanto Barbaresco, Treiso e Neive são para Barbaresco.

Os Vinhos do Piemonte

A História da Viticultura do Piemonte

O renascimento da enologia piemontesa, acontecimento que, de fato, relançou a enologia italiana no mundo, começou em meados do século XIX com a revolução introduzida na produção de Barolo.

Até então a produção de vinhos piemonteses era principalmente doce: uma tradição que se acredita ser ditada principalmente por razões comerciais, quando a região de Langhe, de onde vem Barolo, era o principal fornecedor de vinhos para a poderosa república marítima de Gênova.

Da cidade da Ligúria, os vinhos foram para o mar; portanto, um vinho doce foi capaz de resistir melhor aos perigos das longas viagens marítimas, garantindo uma melhor conservação. Há também uma explicação adicional sobre o fato de os vinhos Barolo serem doces, é a sua uva, a Nebbiolo, a grande uva com a qual este famoso vinho é produzido. Ela tem uma maturação bastante tardia e por isso o frio que se formou nas caves piemontesas durante os meses de novembro e dezembro, juntamente com a indisponibilidade de leveduras específicas, interromperam o processo de fermentação, deixando uma certa quantidade de açúcar residual no vinho.

Os Vinhos do Piemonte

A mudança drástica deste vinho foi obra de um enólogo francês: Louis Oudart. A marquesa di Barolo, Giulietta Falletti, pediu a Oudart que melhorasse os vinhos produzidos na sua adega. Após uma pesquisa preliminar, Louis Oudart compreendeu imediatamente o enorme potencial da uva Nebbiolo e também entendeu o motivo pelo qual não era possível produzir um bom vinho: a interrupção da fermentação e a presença excessiva de açúcares residuais. Graças ao seu trabalho, nasceu o vinho Barolo e teve um grande sucesso em toda a região: Camillo Benso, conde de Cavour, que até então não gostava dos vinhos piemonteses, ficou tão impressionado com o novo vinho que decidiu converter as adegas de sua propriedade para a produção do novo Barolo. O rei Vittorio Emanuele II fez o mesmo nas vinhas da sua quinta de caça em Fontanafredda, em Serralunga d’Alba. A história de um grande mito havia apenas começado.

As uvas da região

As vinhas cultivadas no Piemonte são principalmente uvas tintas, como a Nebbiolo, que dá vida a Barolo e Barbaresco, ícones que estão entre os mais famosos vinhos tintos italianos; Barbera, em suas muitas variações regionais, Dolcetto, Croatina, Freisa, a Bonarda, a Grignolino, a Brachetto, Malvasia di Casorzo baga negra e Schierano. Entre as brancas, podemos destacar as nativas Cortese e Erbaluce e a Moscato, que encontra na região algumas das suas expressões mais elevadas, especialmente para os vinhos espumantes, como o Asti DOCG, e o Moscato di Loazzolo DOC.

As Denominações de origem da Região

Os Vinhos do Piemonte

Na região do Piemonte, destacam-se 19 DOCGs e 47 DOCs, assim nomeadas:

 DOCG

  • Alta Langa
  • Asti
  • Barbaresco
  • Barbera del Monferrato Superiore
  • Barbera d’Asti
  • Barolo
  • Brachetto d’Acqui ou Acqui
  • Canelli ou Moscato di Canelli
  • Dogliani
  • Dolcetto di Diano d’Alba ou Diano d’Alba
  • Dolcetto di Ovada Superiore ou Ovada
  • Erbaluce di Caluso ou Caluso
  • Gattinara
  • Gavi ou Cortese di Gavi
  • Ghemme
  • Nizza
  • Roero
  • Ruchè de Castagnole Monferrato
  • Terre Alfieri

DOC

  • Alba
  • Albugnano
  • Barbera del Monferrato
  • Barbera d’Alba
  • Boca
  • Bramaterra
  • Calosso
  • Canavese
  • Carema
  • Cisterna d’Asti
  • Colli Tortonesi
  • Collina Torinese
  • Novara Hills
  • Saluzzo
  • Cortese dell’Alto Monferrato
  • Costas de Sesia
  • Dolcetto di Ovada
  • Dolcetto d’Acqui
  • Dolcetto d’Alba
  • Dolcetto d’Asti
  • Fara
  • Freisa di Chieri
  • Freisa d’Asti
  • Gabiano
  • Grignolino del Monferrato Casalese
  • Grignolino d’Asti
  • Langhe
  • Lessona
  • Loazzolo
  • Malvasia di Casorzo ou Casorzo
  • Malvasia di Castelnuovo Don Bosco
  • Monferrato
  • Nebbiolo d’Alba
  • Piemonte
  • Pinerolese
  • Rubi de Cantavenna
  • Sizzano
  • Strevi
  • Terre Alfieri
  • Valli Ossolane
  • Valsusa
  • Verduno Pelaverga ou Verduno

Dentre todas elas, podemos destacar algumas das mais conhecidas, conforme abaixo:

Barolo DOCG

O Barolo é certamente um dos vinhos mais famosos da Itália e durante décadas teve a missão de erguer o nome da enologia italiana no mundo. Este vinho é produzido com uvas Nebbiolo e possui o mesmo nome da cidade que se encontra a cerca de 15 km ao sul de Alba.

A área de produção de Barolo é historicamente compartilhada por cinco localidades famosas que também constituem suas áreas escolhidas: Barolo, Castiglione Falletto, La Morra, Serralunga d’Alba e Monforte d’Alba, de onde provém a maior parte da produção total. O impacto do terroir destas áreas nos vinhos é bastante evidente e os vinhos produzidos nas cinco localidades têm características diferentes e pessoais. A composição do solo das localidades de Barolo e La Morra confere ao vinho um carácter mais macio, aromático e decididamente frutado, que geralmente amadurece mais rapidamente.

O solo das localidades de Castiglione Falletto, Serralunga d’Alba e Monforte d’Alba, menos compacto e menos fértil do que as outras duas localidades, produz vinhos mais robustos e intensos que amadurecem mais lentamente. Os vinhos produzidos nestas localidades também se diferenciam, em termos gerais, na cor: os produzidos em La Morra e Barolo tendem a ter as cores vermelho rubi, enquanto os produzidos em outras localidades tendem a ter mais cores granada e laranja.

Vinho Barolo - Piemonte - Itália
Foto: Wikipedia

Uma característica típica dos Barolos são os seus taninos marcados, uma peculiaridade que geralmente leva alguns anos, normalmente pelo menos cinco, antes de adquirir um caráter mais arredondado e menos agressivo. Esta característica também deu origem ao estabelecimento de duas “facções” de produtores: aqueles que acreditam que a produção do Barolo deve respeitar os cânones tradicionais, com o resultado de um vinho mais agressivo e típico, e aqueles que interpretam o Barolo como um vinho mais macio, mais moderno e imediato, recorrendo frequentemente à utilização da barrica em vez da barrica grande, diminuindo os tempos de fermentação e maceração. Ambos os estilos de Barolo têm seus adeptos e muitas vezes essa característica produtiva é motivo de discussão tanto entre os produtores quanto entre os próprios entusiastas.

Independentemente desses fatores “tradicionais” ou “modernos”, a grandeza de Barolo permanece indiscutível. Entre os mais famosos territórios crus de Barolo, devem ser mencionados: Cannubi, Sarmazza e Brunate em Barolo; Rocche, Cerequio e Brunate em La Morra (Brunate é compartilhada pelas cidades de Barolo e La Morra); Rocche, Villero e Monprivato em Castiglione Falletto; Lazzarito e Vigna Rionda em Serralunga d’Alba; Bussia, Ginestra e Santo Stefano di Perno em Monforte d’Alba.

Barbaresco DOCG

Considerado durante anos o “irmão mais novo” do Barolo, devido à uva Nebbiolo com que os dois são produzidos, o Barbaresco é um vinho extraordinário que deve o seu nome à cidade homónima em que é produzido, não muito longe de Barolo. A fama de Barbaresco é certamente mais recente que a de Barolo, mas a história deste vinho também é bastante antiga. Seguindo o trabalho do enólogo Louis Oudart, em Barolo, em meados da década de 1890, o professor Domizio Cavazza, professor da Escola de Enologia de Alba e diretor da Cantina Cooperativa di Barbaresco, conseguiu completar a fermentação, produzindo um vinho seco.

Barbaresco iniciou seu caminho para a fama na década de 1960 graças ao esforço comercial de Giovanni Gaja e Bruno Giacosa. Dez anos depois, Barbaresco se tornou um dos vinhos mais procurados do mundo graças à intuição e teimosia de Angelo Gaja, que contra tudo e contra todos, começou a produzir seu vinho de acordo com os princípios aprendidos na França. Se Barbaresco é hoje admirado e conhecido por toda a parte, se finalmente adquiriu dignidade e identidade próprias, é graças a Angelo Gaja que teve a coragem de iniciar um novo processo e estilo de produção, uma verdadeira revolução, não só produtiva mas também cultural, ao qual muitos outros produtores aderiram.

Os Vinhos do Piemonte

Barbaresco é produzido com uvas Nebbiolo e é geralmente considerado mais elegante e refinado do que o Barolo. Este vinho é produzido nas localidades de Barbaresco, Treiso e Neive, cada um dos quais, graças às características típicas da região.

Entre os crus mais famosos de Barbaresco podemos citar: Asili, Montefico, Montestefano e Rabajà em Barbaresco; Albesani e Gallina em Neive; Pajorè em Treiso.

As áreas Cultivadas

Piemonte é composta por áreas montanhosas, incluídas no setor ocidental dos Alpes; áreas acidentadas, especialmente na área de Monferrato; áreas planas, pouco ou quase nada destinadas à vinha. A zona montanhosa está dividida em três grupos: o primeiro é constituído pelos maciços rochosos cristalinos da zona de Canavese; a segunda vai das colinas de Torino às colinas de Monferrato; o terceiro, o Langhe.

O solo piemontês é constituído por solos argilosos e arenosos, que conferem elegância e um corpo bem estruturado especialmente aos vinhos destinados ao envelhecimento.

O clima continental, típico da região, caracteriza-se por fortes variações sazonais e diárias de temperatura, invernos longos e frios e verões quentes, ideais para a produção de vinhos de particular requinte olfativo.

Você pode visitar essa e outras regiões italianas através de nossos pacotes personalizados e feitos sob medida para grupos e viajantes individuais. Confira nossas opções!

Sobre Deyse RibeiroDeyse Ribeiro é natural de Minas Gerais, mas vive na Toscana desde 2007. Fez curso de sommelier na FISAR, master em Wine Expert (Academia del Gusto) e Guia Enológica na Itália. É empresária, guia de turismo, especialista em turismo de experiência na Itália, além de editora do Portal Tour na Itália, e deste site.

2 comentários em “Os vinhos do Piemonte”

  1. Boa noite Deyse.
    Farei parte de uma excursão à Itália no período de 14 a 24/04/23.
    Parece que as pessoas da excursão não estão muito interessadas em degustar e conhecer vinícolas.
    Mas eu sou uma grande apreciadora de vinhos.
    Está é a minha primeira ida à Itália.
    Gostaria de saber se você teria algumas sugestões para mim.
    Pode ser que eu consiga arrumar pessoas interessadas também na turma da excursão.
    Abril é um bom período para visitar vinícolas?
    Aguardo seu retorno. Atenciosamente,
    Simone.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *