Vinho Italiano

Bolgheri – A casa do Sassicaia

Os vinhedos da Costa etrusca produzem vinhos de prestígio. Na área de Bolgheri e seus arredores, alguns dos melhores e mais renomados vinhos toscanos do mundo são produzidos. Bolgheri é uma denominação italiana jovem, porém de muito valor. Localizada em Maremma, na costa da Toscana e sul de Livorno, é conhecida por seus vinhos tintos de linda coloração e muito versáteis, dignos de excelentes notas. O Super Tuscan Sassicaia , produzido por Tenuta San Guido, que você provavelmente já ouviu falar, é o mais famoso, considerado um dos melhores vinhos tintos italianos.

Em 1075, o Papa Gregório VII, mencionou em sua Bula Papal o nome Bulgari, para registrar a presença de búlgaros, aliados dos lombardos  na região, daí o nome Bolgheri. No Século 12 A.C., a área sofria a influência dos etruscos e a viticultura era a prática dos povos, sendo uma das primeiras áreas onde a videira foi cultivada. Bolgheri por se situar na costa, foi marcada pelo crescimento e declínio da civilização romana. Sujeita aos ataques do período,  o desenvolvimento ocorreu nas colinas, devido à insalubridade das planícies, para fins defensivos estratégicos e agrícolas. A península  se recuperou sob os controle dos Lombardos do Século VI a VIII,  mas foi somente em 1600, que a família Gherardesca, tradicional na região, decidiu impulsionar a área plantando as primeiras vinhas nas áreas planas de San Guido e Belvedere, reestruturando os vinhedos com conhecimentos mais atualizados, formando assim a primeira vinícolas de Bolgheri.

Mesmo com o acometimento da filoxera, a abordagem agronômica da família Gherardesca, liderada por Guidalberto Della Gherardesca fora mantida. Uma vinificação rudimentar que gerava vinhos prontos para beber e que não ultrapassavam um ano.

Em 1944, o Marquês Mario Incisa della Rocchetta casado com a Condessa Clarice Della Gherardesca, plantou o primeiro vinhedo cabernet (Franc e Sauvignon) em Castiglioncello di Bolgheri, uma zona onde os vinhos eram produzidos de forma rústica. Seu parentesco com a família Antinori o fez conhecer o enólogo Giacomo Tachis, que o ajudou nessa missão e com quem iniciou a produção da primeira mistura tinta de Bordeaux na história de Bolgheri. Mesmo com o solo pedregoso, diferente do francês, a experiência deu certo. Em 1968 nasceu a primeira garrafa de Bolgheri Sassicaia, com o  mesmo rótulo que conhecemos hoje. A palavra Sassicaia é derivada de sassi, pedrinhas em italiano, e pode ser traduzida como terreno pedregoso.

O vinho Sassicaia é conhecido por ser elegante, perfumado e pela sua textura macia. As uvas que o produzem são colhidas artesanalmente, pouco tempo antes de atingirem a sua maturação, o que transmite a fragrância e delicadeza do vinho, assim como o teor equilibrado de álcool. A consagração oficial do Sassicaia ocorreu em 1978, após uma prova comparativa de Cabernet pelo mundo, organizada pela revista Decanter. O vinho ficou em primeiro lugar, desbancando vários dos melhores vinhos de Bordeaux.

A experiência inspirou outros produtores e fez surgir na década de 1980, vinhos reconhecidos como Tignanello, Ornellaia, Masetto e Solaia. Abrindo assim, espaços para os supertoscanos e outros vinhos igualmente estimados nas DOCs desenvolvidas.

Uvas

As espécies Cabernet Sauvignon e Cabernet Franc, em vez da tão difundida Sangiovese, foram a base do  vinho Sassicaia, produzido em Tenuta San Guido com vinhas plantadas em 1944. Devido às características do solo e do microclima ensolarado, seco e ventoso, as variedades bordalesas prosperaram, e foi acrescentado ao terroir, as uvas Merlot, Syrah e Petit Verdot incluindo Sauvignon Blanc e a nativa Vermentino, tão conhecida na região. O caráter desses vinhos procede da adaptação em harmonia das vinhas habituadas ao clima de Borgheri, a expressão para grandes vinhos.

As variedades tintas de Bordeaux se adaptaram bem, expandindo os vinhedos e a  região de Bolgheri. O termo Supertoscanos foi criado graças ao Sassicaia e refere-se a tintos que não são produzidos com as uvas nativas da região.

Terroir

A província de Livorno, incluindo o município de Castagneto Carducci, é destinada à produção do Vinho Bolgheri DOC e Bolgheri Sassicaia DOC. Uma zona bem iluminada, com bons ventos e propícia para as vinhas que os diferenciam do restante da região, adequadas principalmente para uvas Cabernet Sauvignon e Cabernet Franc.

A distância da área de produção de 893 hectares, com altitudes que variam de 10 a 380 metros acima do mar, caracteriza o microclima único das colinas que o rodeiam. A influência do mar é um dos fatores fundamentais para a produção dos grandes vinhos Bolgheri. O clima apresenta invernos amenos com temperaturas que variam de 7,5 ° a 9,5 °, verões ensolarados que se estendem até outubro, com a brisa do mar sempre amenizando o calor. Os ventos tendem a resfriar a região em um grau a menos que as demais áreas do rio, o que confere aos vinhos maior frescor e elegância. Outro benefício da frequência dos ventos na região é que afasta riscos de doenças nas plantas, devido à umidade. Os solos compostos por argila diminuem o impacto da elevação de temperatura no verão e a sua profundidade garante às raízes encontrar água sempre que necessário,  aumentando a complexidade e singularidade dos vinhos de Bolgheri. Curiosamente, um estudo encerrado em 2006, mapeou 27 tipos diferentes de solos na região.

Nessa área preza-se o abrigamento das uvas, sem cobertura tardia, conferindo ao vinho um perfil olfativo da mata mediterrânea que envolve por completo as vinhas.

Produção

O cultivo de vinhas  na área Bolgheri DOC em  Castagneto Carducci tem origens muito antigas e a partir de 1790 houve a instalação de novas fábricas, especialmente perto de Bolgheri, aumentando assim a produção vinícola dos vinhos da região.

Em 1816, os primeiros vinhedos experimentais surgiram em Capanna di Castiglioncello, onde nasceu o primeiro vinhedo Sassicaia  nos fundos de Castelluccio. As escolhas vitícolas foram feitas não só com base no terroir, mas sobretudo com base na cultura do vinho francês, direcionadas para vinhas francesas, incluindo Gamay, Cabernet e Syrah, com atenção aos métodos de vinificação.

As práticas utilizadas para a elaboração de vinhos são as consolidadas pela área de vinificação dos tintos e brancos, diferenciadas em vinhos de base e superior. A produção corresponde a 508.000 caixas, sendo a maioria de tintos.

DOC Bolgheri e  DOC Sassicaia Bolgheri

A consagração do vinho Sassicaia, como já vimos, ocorreu em 1978 após a publicação da revista Decanter que o colocou em primeiro lugar. A Denominação de Origem Controlada de Bolgheri  estabelecida em 1983 através de suas práticas, emplacou tintos como Bolgheri Superiore , Bolgheri Rosso e Ornellaia, e os brancos Vermentino Bolgheri e Bolgheri Bianco entre o mundo dos premiados. Em 1994 Bolgheri Sassicaia DOC recebeu o reconhecimento, e em 2013 teve o destacamento de sua  DOC de Bolgheri, tornando-se o único vinho italiano de DOC próprio. O Consórcio de Proteção foi fundado em 1995 e faz a gestão das duas denominações em causa.

Antes disso, porém, os vinhos produzidos na  região eram considerados como Vino da Tavola ou Toscanos IGT já que não cumpriam as regras das denominações de origem existentes.

A área de vinhedos de 893 hectares é reservada para vinhos que atendam os requisitos e condições para a produção de Bolgheri Rosso, Rosso Superiore, Rosato, Bianco, Sauvignon e Vermentino. Bem como a Bolgheri Sassicaia.

A vinificação para os tintos deve levar em consideração 100% de uvas Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc, Merlot, ou a mistura de uma dessas com até 50% de Syrah ou Sangiovese e até 30% de Petit Verdot. A graduação alcoólica varia de 11 a 11,5%.

O Rosso Superiore deve ser envelhecido um mínimo de 24 meses, sendo 12 em barris de carvalho francês. Todos os rótulos devem conter o ano de produção das uvas. Teor de álcool 12,5%.

O vinho Bianco pode ser feito com até 70% de Vermentino e até 40% de Sauvignon Blanc e Trebbiano Toscano e teor alcoólico de 11%. Bolgheri Sauvignon e Bolgheri Vermentino devem conter o mínimo de 85% das respectivas uvas. Alguns podem ser envelhecidos em barris e apresentam graduação alcoólica de 10,5%.

Se tratando de Bolgheri Sassicaia deve ser produzido com 85% de Cabernet Sauvignon e 15% de Cabernet Franc, sendo liberado para consumo após envelhecer por pelo menos 24 meses,  a partir de 1o de janeiro do ano seguinte a vindima e estagiar o mínimo de 18 meses em barris de carvalho francês com capacidade não superior a 225 litros. É obrigatório constar o ano de produção das uvas e sua graduação alcoólica varia de 13,5 a 14 graus.

Características

Os blends de Bordeaux acompanhados de Syrah e Petit Verdot são onde predominam as maiores características dos vinhos tintos  de Bolgheri. Em constante melhoria, é possível notar uma forte tonalidade rubi escura sem alteração do tempo, aromas de frutas maduras doces e um aspecto herbáceo típicos do terroir. Uma acidez mais fresca é perceptível ao paladar, e a predominância de taninos densos e maduros acentuam seu sabor.

Os Bolgheri Superiore, Sassicaia e outros IGT, têm a mesma predominância dos Rossos, cheios de suavidade e elegância, são vinhos redondos que têm grande potencial de desenvoltura convidando o paladar a viajar por uma saborosa cozinha.

Harmonização

Harmonizar comida e vinho pode ser muito subjetivo e pessoal, dependendo do seu humor e até mesmo do clima. Em Bolgheri há uma forte tendência ao rústico quando se trata de harmonização. Sem certo ou errado, o ideal é unir a boa mesa italiana com seus vinhos peculiares.

Os vinhos tintos pedem sabores como salames, queijos fortes e carnes untuosas. A sugestão é por abrir a refeição com um bom pecorino toscano aliado  a tradicional Finocchiona, que é um salame produzido desde a Idade Média com bochecha ou barriga de porco, erva doce, vinho tinto, sal e pimenta maturado por cinco meses.

Para pratos principais experimente com papardelle de lebre, carnes de caças e com Ribollita, prato milenar para aquecer seu inverno, feito a base de legumes, couve toscana e pão.

Se for de Bolgheri Sassicaia, a dica é saborear o Lardo Colonnata. Feito da camada de gordura do porco curado e temperado com alecrim é uma iguaria para os bons momentos de experimentação. Se preferir as carnes, optamos pelo bolo de carne fiorentino ou ainda o Bife Fiorentino, vitela madura grelhada com sal, pimenta e azeite de oliva.

As sobremesas à base de frutas e vinho tinto são interessantes com os vinhos brancos que também fazem bonito com carne de porco e feijão branco.

Poderosos ou não, os vinhos de Bolgheri são equilibrados e harmoniosos. Fique à vontade para apreciar em refeições informais e descontraídas. Os sabores robustos são generosos e estão na ordem do dia.

Sobre Deyse RibeiroDeyse Ribeiro é natural de Minas Gerais, mas vive na Toscana desde 2007. Fez curso de sommelier na FISAR, master em Wine Expert (Academia del Gusto) e Guia Enológica na Itália. É empresária, guia de turismo, especialista em turismo de experiência na Itália, além de editora do Portal Tour na Itália, e deste site.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.