Vinho Italiano

Os vinhos da Basilicata

A Basilicata é a terceira menor região italiana, tendo apenas 600 mil habitantes em sua área geográfica, e quase não possui faixa litorânea. Tendo apenas duas pequenas saídas para o mar, no Tirreno com o Golfo de Policastro e no Jónico, para o Golfo de Taranto.

Esta pequena região é uma joia ainda parcialmente desconhecida da Itália, características únicas como essa, de estar entre os mares e com um interior montanhoso formado por florestas e parques naturais, fazem com que a Basilicata seja um belíssimo destino para os apreciadores de vinho.

Completam a paisagem fortalezas erguidas em picos íngremes, antigas cidades gregas e colinas descendo para baías cristalinas acariciadas pelo sol do Mediterrâneo.

As principais montanhas são o Volturino (2005 m) e o Sirino (1835 m); entre os rios, principalmente torrenciais, os mais importantes são os lagos Gravida, Bradano, Basento, Cavone, Agri, Sinni, aos quais se somam os lagos San Giuliano, Pietra del Petrusillo e Abate Atonia.

A produção da região está quase centrada na fabricação do único grande vinho da região, “Aglianico del Vulture”, produzido com a casta Aglianico que em Basilicata, na zona do Vulture, é capaz de produzir vinhos de excelente qualidade e estrutura. A uva Aglianico é também praticamente a única uva vermelha cultivada na região.

A Basilicata pode ser considerada uma região de produção vinícola limitada em termos quantitativos, no entanto, oferece opções interessantes, com rótulos de muita qualidade técnica.

A história da viticultura da Basilicata

A viticultura na região da Basilicata é uma tradição antiga, trazida pelas colônias gregas.

Aglianico, casta tinta de alta qualidade e símbolo maior da região, foi primeiro plantada em torno da colônia grega de Cumae, e é hoje cultivada no centro montanhoso do Sul da Itália, em particular nas províncias de Avellino e Benevento, na Campania, e nas províncias de Potenza e Matera, na Basilicata.

Vinhos da Basilicata

 As uvas da região

Em Basilicata, cultivam-se principalmente variedades de uvas tintas, que representam quase 90% dos 5.100 hectares de vinhas desta pequena região. Aglianico del Vulture é a principal casta da Basilicata, com mais de 40% da área das vinhas regionais. No Val d’Agri (Terre dell’Alta Val d’Agri DOC) e na área de Roccanova (Grottino di Roccanova DOC) as vinhas internacionais Merlot e Cabernet Sauvignon, Sangiovese e Montepulciano também são cultivadas. Na área de Matera, Primitivo é a principal variedade de uva, também ladeada por Merlot e Cabernet Sauvignon. As variedades de uvas brancas, embora menos comuns, incluem Malvasia Bianca, Verdeca, Bombino Bianco e Chardonnay.

As Denominações de Origem da região

Como dissemos anteriormente, se trata de uma das menores regiões produtoras da Itália, o que lhe confere uma denominação DOCG, quatro DOC e uma IGT. Conforme abaixo:

DOCG

  • Aglianico del Vulture Superiore

DOC

  • Aglianico del Vulture
  • Grottino di Roccanova
  • Matera
  • Terre dell’Alta Val d’Agri

IGT

  • Basilicata IGT

Destacamos as seguintes:

Aglianico del Vulture Superiore DOCG

A denominação de origem Aglianico del Vulture Superiore DOCG é reservada aos vinhos produzidos com as uvas 100% Aglianico e Aglianico del Vulture. A área de produção situa-se na parte norte da região, na província de Potenza, e compreende um território de alta e média colinas, localizado nas encostas do Monte Vulture, um vulcão extinto, mas ativo até o alto Pleistoceno, onde tem seu pico mais alto a 1.327 metros acima do nível do mar e que gradualmente se inclina para o oeste ao longo do rio Ofanto, e para o leste em direção à planície de Puglia, dando origem a picos diversos em todo o território. Os vinhos abrangem os tipos Aglianico del Vulture Superiore e Aglianico del Vulture Superiore Riserva.

Vinhos da Basilicata

Os vinhos Aglianico del Vulture Superiore DOCG devem passar por um período de maturação mínimo de três anos, dos quais pelo menos 12 meses em barricas de madeira e 12 meses em garrafa. O Riserva deve passar por um período mínimo de maturação de quatro anos, após envelhecimento de no mínimo 24 meses em barris de madeira e no mínimo 12 meses em garrafa.

Ambos os vinhos têm boa acidez, a cor é o tinto rubi intenso que se desvanece para o tinto granada com reflexos alaranjados nos vinhos mais envelhecidos. Em todos os tipos destacam-se aromas frutados, mas também aromas florais típicos das castas das vinhas de base, que nos vinhos mais envelhecidos desvanecem-se a favor dos condimentados ou fenólicos associados à madeira. Na boca os vinhos apresentam uma acidez normal, um toque de amargor e uma possível adstringência residual típica das vinhas, mas, sobretudo, uma excelente estrutura que contribui para o seu equilíbrio.

A área de produção diz respeito à província de Potenza e inclui o território dos municípios de Rionero in Vulture, Barile, Rampolla, Ripacandida, Ginestra, Maschito, Forenza, Acerenza, Melfi, Atella, Venosa, Lavello, Palazzo San Gervasio, Banzi e Genzano di Lucania.

Vinhos da Basilicata

Terre dell’Alta Val D’Agri DOC

A denominação Terre dell’Alta Val D’Agri DOC está localizada na província de Potenza. Em particular, inclui todo o território municipal de Viggiano, Grumento Nova e Moliterno e as vinhas cultivadas até à altitude máxima de 800 metros acima do nível do mar. A necessidade de produzir uvas de excelente qualidade enquadra-se perfeitamente num território homogêneo, caracterizado por um vinho notável. A tradição da viticultura faz com que a paisagem seja fortemente caracterizada por vinhas ordenadas, bem cuidadas e cultivadas com práticas de cultivo que permitem a melhor exposição e o melhor amadurecimento dos taninos. Em cada município doTerre dell’Alta Val D’Agri DOC é possível identificar uma área bem definida, particularmente adequada ao cultivo da vinha, que é indicada pelo termo “Località Vigne”.

As castas indicadas para a produção de vinho tinto, tinto reserva e designação rosé são a Merlot e a Cabernet Sauvignon, tradicionalmente cultivado na área de produção. Todos os vinhos apresentam boa acidez e em todos os tipos destacam-se aromas principalmente frutados (bagas e drupas), típicos da uva. Ao paladar, os vinhos apresentam acidez normal e uma possível adstringência residual típica da casta, mas, sobretudo, uma excelente estrutura que contribui para o seu equilíbrio gustativo e para realçar uma grande longevidade do produto.

A área de produção envolve a província de Potenza e inclui o território dos municípios de Viggiano, Grumento Nova e Moliterno.

Matera DOC

O Matera DOC é uma pequena denominação de Basilicata. Rica em história, da vinificação, que remonta a 1300 aC, bem antes da era romana, na época dos lucanos locais.

A DOC Matera, criada em 2005, inclui a produção de seis tipos de vinhos. Os vinhos tintos incluem um tinto produzido principalmente com as variedades de uvas Sangiovese, Aglianico e Primitivo, com uma pequena percentagem de outras uvas nativas e não aromáticas autorizadas na região da Basilicata. O “Il Moro di Matera” é composto por um blend mais internacional: um blend estilo Bordeaux de Cabernet Sauvignon (60%) e Merlot (10%), com a parte restante consistindo de Primitivo (20%) e outras uvas locais. Já o Primitivo puro deve conter pelo menos 90% desta variedade.

Os principais vinhos brancos são uma casta composta por 85% de Greco Bianco com uma pequena percentagem de outras uvas brancas nativas; um vinho branco básico composto por Malvasia Bianca di Basilicata, Greco Biancoe e pequenas quantidades de outras uvas brancas nativas; e um espumante com a mesma composição do branco que passa por um processo extra de fermentação natural (refermentação).

Matera é famosa mundialmente pelo seu Sassi, reconhecido Patrimônio da Humanidade pela Unesco.

A área de produção abrange todo o território da Província de Matera.

As áreas cultivadas

O território da Basilicata é principalmente montanhoso e acidentado. O clima, continental de caráter mediterrâneo, é quente e seco apenas nas zonas costeiras e no interior da serra de Matera. A zona de Metapontino alterna épocas de invernos amenos e chuvosos com verões quentes, secos e bastante ventosos, sendo, portanto, ideal para a produção de uvas brancas incluindo Greco e Malvasia, que dão vinhos de estrutura média, mas com uma grande consistência aromática.

A área montanhosa que se inclina em direção ao Materano, ao longo da fossa bradanica, é caracterizada por áreas argilosas e arenosas com sedimentos marinhos, nos quais são cultivadas as vinhas Greco e Primitivo, de onde se obtêm vinhos estruturados de grande complexidade olfativa. O fundo do vale, de origem aluvial e marinha, é constituído por solos muito férteis e profundos, ideais para o cultivo das vinhas Merlot, Cabernet sauvignon e Sangiovese. A zona do Abutre, situada no Nordeste da região, é particularmente votada para o cultivo do Aglianico del Abutre, que dá o nome ao vinho. O território vitícola, situado junto ao vulcão extinto, é rico em potássio que confere aos vinhos frescura, sabor e mineralidade; durante os verões secos, a porosidade do tufo garante às vinhas um adequado abastecimento de humidade, aproveitando a água acumulada nos meses de inverno.

Vinhos da Basilicata

 

Na província de Potenza, o Val d’Agri é uma área de vale no coração da região, uma área muito interessante na qual existem duas das quatro denominações DOC. As vinhas são plantadas em solos ricos em areia e argila a 600-700 metros e de agosto a meados de outubro são capazes de explorar as fortes variações de temperatura; graças a estas felizes condições climáticas, os vinhos do Val d’Agri (Terre dell’Alta Val d’Agri DOC) e da zona de Roccanova (Grottino di Roccanova DOC) também se destacam como exemplo na agricultura biológica.

Por fim, nas vinhas que se inclinam para o mar Jónico, existe um território e um vinho que se identificam perfeitamente com o seu nome, Matera DOC, denominação que detalhamos mais acima.

Sobre Deyse RibeiroDeyse Ribeiro é natural de Minas Gerais, mas vive na Toscana desde 2007. Fez curso de sommelier na FISAR, master em Wine Expert (Academia del Gusto) e Guia Enológica na Itália. É empresária, guia de turismo, especialista em turismo de experiência na Itália, além de editora do Portal Tour na Itália, e deste site.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.