Vinho Italiano

Os vinhos da Emilia Romagna

Emilia Romagna é uma região do centro-norte da Itália rica em história, cultura, tradições e paisagens deslumbrantes. São muitos os atrativos e maravilhas que ela oferece a seus moradores e visitantes. É um verdadeiro festival de cores e aromas da terra, alegria, música, arte e comida e, é claro, excelentes vinhos.

A Emilia-Romagna representa uma das maiores regiões vinícolas em extensão, com cerca de 60.000 hectares de plantações.

A região está dividida em duas áreas geográficas e culturais distintas: Emilia, na parte ocidental da região e Romagna, na parte oriental. As duas áreas distinguem-se tanto pela gastronomia diferente como pelas uvas cultivadas e, portanto, pelos vinhos que produzem. Emilia é a pátria indiscutível do hiperfamoso “Lambrusco”, vinhos tintos espumantes; enquanto na Romagna o vinho torna-se mais “calme” e é produzido com as uvas Sangiovese, Albana e Pignoletto.

Quando falamos da Emília-Romanha, muitos já pensam na sua cozinha rica e opulenta, saborosa, exuberante, cordial e hospitaleira, tal como seus habitantes.

Porém, a região não é apenas rica e variada em gastronomia, mas também na arte, cultura e história. Neste contexto rico e complexo, o vinho também tem um papel muito específico, aqui como em toda a Itália, a bebida de Baco desempenha um papel fundamental na cultura da região.

As duas áreas (Emilia e Romagna) destacam-se pela forma de produção do vinho e pelas uvas que são cultivadas e chamam a atenção do mundo para seus produtos feitos com excelência.

 

Os Vinhos da Emilia Romagna

 A história da viticultura da Emilia Romagna

A história do vinho na Emilia-Romagna remonta aos tempos ainda pré-romanos e, é claro, está ligada à sua uva mais famosa, Lambrusco. O nome Lambrusco deriva de Vitis Labrusca, uma espécie ancestral de videira silvestre cuja utilização para a produção de vinho não é certa. No século VII aC, as descobertas arqueológicas realizadas nessas áreas permitiram constatar com certeza que naquela época os habitantes dessas terras já se dedicavam à viticultura.

A ordem beneditina deu mais tarde uma grande contribuição para a viticultura da região, especialmente perto de Ferrara, onde se originou a viticultura Bosco Eliceo

No final dos anos 1800, a chegada da filoxera marcou uma parada na viticultura. No delta do Pó, próximo ao atual território acima citado, DOC Bosco Eliceo, os vinhedos de Fortana foram poupados desse parasita e, ainda hoje, muitas videiras são enxertadas em pé livre e não em variedades de origem americana.

O Lambrusco deve seu grande desenvolvimento às cooperativas de produtores da primeira metade do século XX, principalmente em termos quantitativos. A difusão deste vinho o tornou conhecido em todo o mundo, mas também gerou a convicção de que com esta casta só se produzem vinhos comuns, o que é provado ser uma inverdade por muitos exemplos de grande qualidade de vinhos feitos com ela na região. Esse preconceito é, sem dúvidas, fruto de um longo período em que a produção da região da Emilia Romagna ficou extremamente focada na produção em largas escalas comerciais dos espumantes feitos com as variedades da uva Lambrusco.

Enquanto as vinícolas da Emilia-Romagna se empenhavam em produzir grandes quantidades de vinho, na década de 1960 alguns produtores começaram a trilhar o caminho da qualidade, decisão, talvez, muito cedo em relação à época.

Em 1962, com o objetivo de proteger a imagem do vinho Romagna, foi fundado em Faenza o “Consorzio Vini Tipici Romagnoli”, que mais tarde se tornou o “Ente Tutela Vini di Romagna”, distinguido pela inconfundível marca “Passatore” Stefano Pelloni, o famoso bandoleiro da Romagna que viveu em 1800.

Em 1970 foi fundada outra importante instituição, a Enoteca Regionale Emilia-Romagna, que ainda hoje, por lei, tem a missão de promover os vinhos desta região.

Nos últimos anos, a viticultura em Emilia-Romagna seguiu dois caminhos paralelos: a valorização das vinhas nativas regionais e a introdução bastante massiva das chamadas vinhas “internacionais”, frequentemente utilizadas em conjunto com castas locais.

As uvas da região

São nada menos que 36 tipos de uvas cultivadas na região da Emilia Romagna. São elas:

  • Albana Baga branca
  • Alionza Baga branca
  • Ancellotta
  • Bervedino
  • Bombino branco
  • Canino preto
  • Centesimino
  • Famoso
  • Fogarina
  • Fortana
  • Lambrusco Barghi
  • Lambrusco di Sorbara
  • Lambrusco Grasparossa
  • Lambrusco Maestri
  • Lambrusco Marani
  • Lambrusco Montericco
  • Lambrusco Oliva
  • Lambrusco Salamino
  • Malbo gentil
  • Malvasia di Candia aromática
  • Malvasia Rosa
  • Marsanne
  • Melara Baga branca
  • Merlese
  • Montù Baga branca
  • Mostosa
  • Negretto
  • Ortrugo
  • Pérola da vida
  • Pignoletto
  • Sangiovese
  • Santa Maria
  • Sgavetta
  • Spergola
  • Trebbiano Romagnolo
  • Uvas Longanesi

Os Vinhos da Emilia Romagna

As Denominações de origem da Região

Encontramos na Emilia Romagna, 2 Denominações de Origem Controlada e Garantia, DOCG; 18 Denominações de Origem Controlada, DOC; e mais 9 IGTs – Indicação Geográfica Típica.

São elas:

DOCG

  • Colli Bolognesi Classico Pignoletto
  • Romagna Albana

DOC

  • Bosco Eliceo
  • Colli Bolognesi
  • Hills of Faenza
  • Colli di Parma
  • Hills of Rimini
  • Hills of Scandiano e Canossa
  • Colli d’Imola
  • Colli Piacentini
  • Colli Romagna Centrale
  • Gutturnio
  • Lambrusco di Sorbara
  • Lambrusco Grasparossa di Castelvetro
  • Lambrusco Salamino de Santa Croce
  • Modena
  • Ortrugo do Colli Piacentini
  • Reggiano
  • Reno
  • Romagna

IGTs

  • Branco de Castelfranco Emilia
  • Emilia ou Emilia
  • Forlì
  • Fortana del Taro
  • Ravenna
  • Rubicon
  • Sillaro ou Bianco del Sillaro
  • Terre di Veleja
  • Val Tidone

Destacamos as denominações abaixo:

  • Lambrusco di Sorbara

O selo “Lambrusco di Sorbara” está relacionado com a produção de vinhos espumantes.

Das uvas produzidas nessa área obtêm- se vinhos tintos com cor rubi mais ou menos intensa, fracos em estrutura, acidez média-alta, baixo teor alcoólico e com aromas florais e frutados bem evidentes. A frescura e a fragrância dos perfumes contribuem para o seu equilíbrio gustativo.

A Lambrusco di Sorbara é uma variedade de uva vermelha de alto vigor, mas sujeita a millerandage (fenômeno que faz com que os tamanhos dos cachos fiquem bastante irregulares). Foi, portanto, necessário incluir outras vinhas Lambrusco na base das vinhas para permitir a polinização e frutificação das uvas Lambrusco di Sorbara. Os vinhedos responsáveis ​​pela produção de Lambrusco di Sorbara DOC devem ter uma base ampelográfica composta por Lambrusco di Sorbara, pelo menos 60% do total, Lambrusco salamino, pelo menos 25%, mas não mais que 40%, outro Lambrusco tradicionalmente cultivado na área até um máximo de 15% do total.

A área de produção de espumantes e espumantes Lambrusco di Sorbara DOC compreende a província de Modena e inclui o território administrativo dos municípios de Bastiglia, Bomporto, Nonantola, Ravarino, San Prospero e, em parte, o território dos municípios de Campogalliano, Camposanto, Carpi, Castelfranco Emilia, Modena, Soliera e San Cesario sul Panaro.

  • Romagna Albana DOCG

A denominação Romagna Albana DOCG é reservada para vinhos obtidos de uvas da videira Albana em pelo menos 95% de sua composição e provenientes da área entre as províncias de Bolonha, Forlì-Cesena e Ravenna.

Pelas suas características particulares (maturação gradual, alto acúmulo de açúcar e bastante acidez), a uva Albana sempre foi utilizada para a produção de diferentes tipos de vinhos. Por esta razão, a Albana estava presente em quase todas as fazendas da Romagna. As primeiras uvas maduras proporcionaram ao vinho seco mais leve, enquanto a segunda safra foi utilizada para produzir um vinho mais robusto, muitas vezes permaneceram mais ou menos doces. O frio do outono bloqueou então a fermentação, deixando um importante resíduo de açúcar. Parte dessa produção era recolhida e pendurada no sótão e depois de seca era prensada para fazer vinho “passito” para importantes aniversários familiares e muitas vezes também para a celebração eucarística.

Os Vinhos da Emilia Romagna

Para o tipo passito, a secagem pode durar de 15 de outubro (mínimo) a 30 de março, também em sistema de ventilação artificial, obtendo-se mostos com um teor total de açúcar de pelo menos 285g/l.

Para os vinhos provenientes de uvas submetidas à secagem na vinha com ataque de “podridão nobre”, é admitido um título alcoométrico efetivo de 4,0%, desde que o teor alcoólico do mosto no momento da prensagem não seja inferior a 400 gramas por litro. Para todos os tipos, a vinificação, o armazenamento e o envelhecimento em recipientes de madeira são permitidos.

A área de produção inclui, na província de Bolonha, o território dos municípios de Imola, Dozza, Castel San Pietro Terme, Castelguelfo, Medicina, Ozzano dell’Emilia, Castenaso, Budrio, Granarolo dell ‘Emilia, Bolonha, San Lazzaro di Savena, Bentivoglio, San Giorgio di Piano, San Pietro in Casale, Pieve di Cento, Castelmaggiore, Argelato, Castello d’Argile, Casalecchio di Reno, Calderara di Reno, Sala Bolognese, Zola Predosa, Crespellano, Anzola dell’Emilia, San Giovanni in Persiceto, Sant ‘Agata Bolognese, Crevalcore e Bazzano.

As áreas cultivadas

Situada entre o curso do Pó a norte e os Apeninos a sul, esta região é considerada uma das mais férteis e produtivas da Itália, graças também à influência do mar Adriático que atenua o clima na zona costeira. O contraste entre o mar e a montanha cria diversidade climática em benefício das vinhas, garantindo a produção de inúmeros tipos de vinhos provenientes de castas autóctones e internacionais.

A superfície regional é aproximadamente 50% plana, 25% acidentada e 25% montanhosa (atingindo mais de 2.000 metros acima do nível do mar nos Apeninos Toscanos-Emilianos). Portanto, a distribuição das vinhas é de cerca de 75% nas planícies, 20% nas áreas acidentadas e 5% nas montanhas (entre 400 e 600 metros acima do nível do mar).

Os Vinhos da Emilia Romagna

As variadas características climáticas do território dão origem às várias zonas vitícolas, que se estendem de oeste para leste, aproximando-se assim das zonas mais amenas da Riviera Romagna.

Na Emilia-Romagna, a produção de vinho cobre todo o território regional, desde a fronteira ocidental até o extremo oriental da costa do Adriático. Embora a enologia regional esteja orientada para a produção de vinhos a partir de castas nativas, aqui é bastante significativa a presença de castas “internacionais”, tanto utilizadas isoladamente como em mistura com castas locais.

A enologia de Emilia – a parte ocidental da região – está tradicionalmente ligada à produção de vinhos espumantes, principalmente a partir das diferentes variedades de Lambrusco, que é o vinho símbolo da região, sem dúvidas.

Na parte oriental da região – Romagna – a produção é principalmente dedicada a vinhos secos e doces, ambos brancos, principalmente com as uvas Albana, Pignoletto, Trebbiano Romagnolo e Pagadebit (Bombino Bianco), e tintos, principalmente com as uvas Sangiovese.

Sobre Deyse RibeiroDeyse Ribeiro é natural de Minas Gerais, mas vive na Toscana desde 2007. Fez curso de sommelier na FISAR, master em Wine Expert (Academia del Gusto) e Guia Enológica na Itália. É empresária, guia de turismo, especialista em turismo de experiência na Itália, além de editora do Portal Tour na Itália, e deste site.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.