Vinho Italiano

Os vinhos da Lombardia

A Lombardia é um território caracterizado por múltiplas e ricas paisagens encantadoras.

E é justamente essa pluralidade paisagísticas que dá origem a uma enorme variedade de rótulos impressionantes e apaixonantes.

A região possui um grande leque de opções de brancos e tintos apreciados internacionalmente.

A Lombardia é uma região muito extensa (cerca de 24.000 km²), e apresenta áreas com características muito diferentes tanto do ponto de vista climático como do ponto de vista do solo. Vai desde zonas bem montanhosas, como Valtellina, a zonas planas ou parcialmente acidentadas como Oltrepò Pavese e também zonas com um microclima absolutamente particular, como as que rodeiam o Lago de Garda.

 A história da viticultura da Lombardia

Uma região cheia de história e de – literalmente – pré-história, uma vez que o cultivo da videira na Lombardia remonta a esses tempos, os pré-históricos. Mais precisamente na Idade do Bronze, na época dos primeiros assentamentos humanos nas margens do lago de Garda e do Lago de Iseo.

A partir do século VII aC, a chegada das populações rética, etrusca e liguriana trouxe as primeiras técnicas de vinificação à região. E assim como em muitas outras regiões italianas, essas técnicas evoluíram exponencialmente com o início do Império Romano.

Os Vinhos da Lombardia

Após a queda do imponente império, a região passou a abrigar os povos chamados lombardos , de quem herdou o seu nome. Porém, os próprios lombardos abandonaram o cultivo das uvas, situação que durou até o início da Idade Média, quando a disseminação da agricultura dos monges despertou o interesse pela vinha e para o vinho, mesmo que os sistemas de vinificação da época fornecessem um vinho muito azedo e de difícil conservação.

No final do século XVI, a influência das técnicas de vinificação advindas da França permitiu a produção dos primeiros Chiaretti e vinhos cada vez melhores e de melhor armazenamento, e assim começaram a driblar os problemas que os monges enfrentavam.

Naquela época, muitas videiras eram cultivadas em um sistema que as casavam com outras árvores, que passou a ser abandonado gradualmente, para dar lugar às experimentações de novos sistemas com estacas inertes e podas curtas. O mesmo período, porém, viu em muitas áreas o abandono da viticultura para o cultivo da amoreira e do bicho-da-seda.

No século XIX, os flagelos das pragas do oídio, do míldio e da filoxera mudaram completamente o quadro viticultor da região, levando ao desaparecimento de muitas vinhas nativas.

A contemporaneidade levou à lenta recuperação da viticultura, graças ao impulso da solução do problema da filoxera por meio de estacas enraizadas enxertadas em pé americano e ao progressivo aperfeiçoamento das técnicas de vinificação e cultivo. A difusão da videira e a produção de vinho na Lombardia abriram, assim, novos e antes impensáveis ​​horizontes.

Hoje, a região é de essencial importância para o cenário nacional italiano e para todo o mundo consumidor de seus vinhos.

As uvas da região

A Lombardia é a casa de várias espécies de uvas, das mais doces às mais ácidas. Essa característica é um grande trunfo da região, por possibilitar a produção de vinhos versáteis que mantém altas qualidades.

Em Valtellina a principal uva é a Nebbiolo, também chamada de Chiavennasca.

Os Vinhos da Lombardia

Outras vinhas nativas são a Pignola , a Rossola , a Brugnola (conhecida em Emilia como Fortana ou Uva d’Oro); todas pretas, raramente vinificadas sozinhas e que fazem parte do blend dos clássicos vinhos Valtellina.

No Oltrepò Pavese, a uva mais comum é Barbera, seguida de perto por Croatina e Bonarda. Pinot Noir, Riesling Italico, Moscati e Malvasie completam o conjunto encontrado nessa microrregião.

A Franciacorta, na área do Lago Iseo, é conhecida pelo cultivo de uvas Pinot Nero, Pinot Blanc e Chardonnay. As vinhas Groppello, Barbera, Marzemino e Sangiovese são cultivadas nas colinas de Garda e Mantovani.

As denominações de origem da Lombardia

A Lombardia abriga 5 Denominações de Origem Controlada e Garantia (DOCG); 23 DOCs, Denominações de Origem Controlada e 15 IGTs (Indicação Geográfica Típica).

Sendo elas assim denominadas:

DOCGs

  • Franciacorta
  • Método Oltrepò Pavese Classic
  • Scanzo ou Moscato di Scanzo
  • Sforzato di Valtellina ou Sfursat di Valtellina
  • Valtellina Superiore

Os Vinhos da Lombardia

DOCs

  1. Bonarda dell’Oltrepò Pavese
  2. Botticino
  3. Buttafuoco de Oltrepò Pavese ou Buttafuoco
  4. Capriano del Colle
  5. Casteggio
  6. Cellatica
  7. Curtefranca
  8. Garda Colli Mantovani
  9. Garda
  10. Lambrusco Mantovano
  11. Lugana
  12. Oltrepò Pavese
  13. Oltrepò Pavese Pinot Grigio
  14. Pinot Noir de Oltrepò Pavese
  15. Riviera del Garda Bresciano ou Garda Bresciano
  16. Riviera del Garda Classico
  17. San Colombano al Lambro ou San Colombano
  18. San Martino della Battaglia
  19. Sangue de Judas de Oltrepò Pavese ou Sangue de Judas
  20. Terre del Colleoni ou Colleoni
  21. Valcalepio
  22. Valtellina Rosso
  23. Valtenesi

As IGTs

  1. Alpes Réticos
  2. Alto Mincio
  3. Benaco Bresciano
  4. Bergamasca
  5. Collina del Milanese
  6. Montenetto di Brescia
  7. Província de Mântua
  8. Província de Pavia
  9. Quistello
  10. Ronchi di Brescia
  11. Ronchi Varesini
  12. Sabbioneta
  13. Sebino
  14. Terrazze Retiche di Sondrio
  15. Terre Lariane
  16. Valcamonica

Falemos um pouco sobre algumas delas.

  • Franciacorta

Essa Denominação é uma aula de conhecimento para quem gosta de apreciar e ler sobre os espumantes.

Surgida em 1967, a DOC Franciacorta é nada menos que uma das primeiras denominações de origem controlada nascida na Itália, e ela surgiu especificamente, à época, para abranger o tipo espumante de vinho que a região produz.

Depois disso, em 1995 nasceu o selo DOCG Franciacorta que representa um marco para o território fazendo do termo Franciacorta a designação do vinho e do seu método de processamento.

Os Vinhos da Lombardia

A denominação de origem Franciacorta DOCG inclui os seguintes tipos de vinhos espumantes referenciados na garrafa com o método clássico:

Franciacorta DOCG

Franciacorta DOCG Satèn

Franciacorta DOCG rosé

Franciacorta DOCG vintage

Reserva Franciacorta DOCG

As castas permitidas para a produção dos tipos indicados são Chardonnay, Pinot nero e Pinot bianco.

O rosé deve conter pelo menos 25% de Pinot Noir, enquanto o Satèn deve ser vinificado exclusivamente a partir de uvas brancas. Para a elaboração da safra, pelo menos 85% das uvas devem ser utilizadas a partir da safra que está indicada no rótulo.

O período mínimo de envelhecimento nas borras é 18 meses para a versão básica, 24 meses para o Rosè e Satèn, 30 meses para a vindima e 60 meses para as reservas.

Os formatos permitidos para as garrafas variam de um mínimo de 0,185 a um máximo de 15 litros.

Do ponto de vista do teor de açúcar, são permitidos os seguintes tipos: dosagem zero, extra brut, brut, extra dry, sec e demi-sec. Para a tipologia “Satèn”, apenas a versão brut está disponível.

O Satèn é caracterizado por uma pressão de CO2 inferior a 5 atms, a fim de enfatizar a cremosidade do produto.

A área de produção diz respeito à província de Brescia e inclui o território dos municípios de Paratico, Capriolo, Adro, Erbusco, Cortefranca, Iseo, Ome, Monticelli Brusati, Rodengo Saiano, Paderno Franciacorta, Passirano, Provaglio d’Iseo, Cellatica, Gussago e, em parte, o território dos municípios de Colônia, Coccaglio, Rovato e Cazzago S. Martino.

  • Valtellina Superiore DOCG

A denominação de origem Valtellina Superiore DOCG é dedicada exclusivamente aos vinhos tintos produzidos em Valtellina, na província de Sondrio, a partir da casta Nebbiolo (localmente denominada “ Chiavennasca ”) em pelo menos 90% do total na formulação dos rótulos.

Dentro da área de produção do vinho Valtellina Superiore DOCG  são identificadas as sub-áreas Maroggia, Sassella, Grumello e Valgella . O período mínimo de refinamento do Valtellina Superiore DOCG  é de 24 meses , dos quais pelo menos doze em barricas de madeira.

Os vinhos podem levar o selo de qualificação se sujeitos a um período de envelhecimento de pelo menos três anos.

O vinho Valtellina Superiore DOCG tem cor granada vermelho rubi, aroma persistente e agradável. Na boca é seco e ligeiramente tânico, aveludado e harmonioso.

A área de produção está situada na província de Sondrio e inclui o território dos municípios de Ardenno, Berbenno, Bianzone, Buglio no Monte, Castione Andevenno, Chiuro, Montagna em Valtellina, Poggiridenti, Ponte em Valtellina, Postalesio, Sondrio, Teglio, Tirano, Tresivio e Villa di Tirano.

As áreas cultivadas

A superfície regional de Lombardia bem dividida, praticamente pela mesma quantidade de área de planícies e de montanhas. Isso significa que, do ponto de vista do vinho, as colheitas e as produções são diferentes de acordo com a área considerada.

Localizada no extremo norte da península, a Lombardia é uma das maiores regiões italianas, onde, conforme citado, aproximadamente metade do território se estende por uma vasta área plana. Em comparação com as cadeias montanhosas principais, os Pré-alpes estão dispostos na direção norte-sul e são caracterizados pela presença de numerosos lagos. A colina surge na área entre o Ticino e o Brembo, que estreita suas faixas perto de Bérgamo e Brescia, e depois se expande perto dos lagos de Iseo e Garda. A planície, que ao pé da serra tem 250 metros de altitude, estende-se até ao Pó e, no Pavese, atravessa-o, chegando aos ramos dos Apeninos.

Os Vinhos da Lombardia

A planície da Lombardia é caracterizada por um clima continental, enquanto no sopé o clima temperado e a boa exposição solar determina condições mais favoráveis ​​ao cultivo da uva. Este tipo de clima é ideal, na realidade, para a viticultura da zona de produção de Valtellina, cujos Alpes a protegem dos ventos frios do norte da Europa, e também graças à natureza dos solos arenosos, obtidos com a descamação da rocha de granito, quando se obtêm vinhos complexos e estruturados.

Na zona de produção de Franciacorta, o solo é caracterizado por uma variedade de terra solta, integrada com argila, areia e seixos que permitem o escoamento da água, de onde se obtêm vinhos elegantes e de excelente complexidade aromática.

As condições ideais para o cultivo da vinha ocorrem na zona montanhosa do Oltrepò, bem exposta ao sol e caracterizada pelo clima temperado e pelo solo marinho e arenoso com camadas calcárias, cujas peculiaridades favorecem particularmente a produção de vinho branco.

Os sistemas de plantio de videiras mais comuns na Lombardia são espaldeira, Guyot único ou múltiplo e cordão esporado.

Para você que deseja conhecer essa região italiana com todos os seus encantos, conheça nossas opções de viagens! São as melhores rotas para o enoturismo por essas lindas paisagens europeias!

Sobre Deyse RibeiroDeyse Ribeiro é natural de Minas Gerais, mas vive na Toscana desde 2007. Fez curso de sommelier na FISAR, master em Wine Expert (Academia del Gusto) e Guia Enológica na Itália. É empresária, guia de turismo, especialista em turismo de experiência na Itália, além de editora do Portal Tour na Itália, e deste site.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *