Vinho Italiano

Os vinhos da Sicília

Uma terra de sol e mar, bem como de antigas tradições e culturas, a Sicília – a maior das ilhas italianas – é uma região entre as mais ricas em história e arte, um lugar onde residiram muitas das grandes civilizações do passado.

A Sicília é também uma terra que encanta o visitante pelas inúmeras belezas naturais, pelos seus aromas, pela variedade da gastronomia e, obviamente, pelos encantos dos seus vinhos. Nestes locais nascem vinhos famosos como o majestoso Marsala – um vinho histórico e extraordinário que merece uma melhor consideração – o perfumado Passiti di Pantelleria e Malvasia delle Lipari, sem esquecer o Moscato di Noto e o Siracusa, bem como os robustos vinhos tintos e vinhos brancos interessantes.

Os Vinhos da Sicilia

A História da Viticultura da Sicília

O vinho e a videira acompanharam a história da Sicília desde o início. Acredita-se que a videira cresceu espontaneamente na Sicília muito antes da chegada dos gregos e muitas uvas – hoje consideradas nativas – foram introduzidas pelos fenícios.

A viticultura foi provavelmente introduzida na ilha durante o século VIII a.C pelos primeiros colonos gregos, lançando assim as bases para a futura riqueza enológica da Sicília. Os gregos introduziram as suas técnicas, como a poda, o cultivo de mudas e a seleção varietal, destruindo o hábito local de deixar a videira crescer espontaneamente que, graças às condições ambientais e naturais particulares, ainda era capaz de produzir colheitas abundantes.

Já na época do Império Romano, os vinhos da Sicília estavam entre os mais famosos da Europa, eram amplamente exportados e muito apreciados em todos os lugares. Naquela época, um dos vinhos doces mais famosos da Sicília era o Mamertino, muito apreciado pelas classes sociais mais nobres e alguns historiadores dizem que era o vinho preferido de Júlio César. Entre os outros vinhos famosos da época também são mencionados Potulanum, Tauromenitanum e Haluntium.

Mais tarde, o cristianismo – na Sicília como em outras partes da Europa – desempenhou um papel fundamental no desenvolvimento moderno da enologia por meio de assentamentos monásticos. Durante este período – entre 585 e 872, que coincidiu com o domínio bizantino – mais da metade das terras da Sicília tornaram-se propriedade de comunidades religiosas, para as quais a vinha e o vinho eram essenciais para a celebração da missa.

Durante o domínio dos árabes (872-1061), a produção de vinho na ilha sofreu um longo período de declínio: foi apenas com o advento dos normandos (1061-1194) e mais tarde dos suábios (194-1266) que o A enologia siciliana mostrou sinais de recuperação.

O vinho da Sicília retomou seu desenvolvimento com o Aragonês (1288-1512) e o resultado foi a retomada das exportações. Durante este período, a viticultura contribuiu para melhorar as condições econômicas da Sicília. Durante o período Bourbon, o vinho produzido principalmente tinha um alto teor de álcool e era geralmente destinado à mistura de outros vinhos.

A região teve que esperar quase até ao final de 1700, precisamente em 1773, para registar um dos acontecimentos mais significativos da história do vinho siciliano. Este acontecimento histórico tem como protagonista um jovem comerciante inglês que através da sua intuição, mas também da sua habilidade como comerciante, contribuiu para o nascimento de um dos vinhos mais famosos e importantes da Itália: o Marsala. John Woodhouse era o nome do jovem. Foi um sucesso retumbante que marcou sua fortuna comercial/pessoal e, consequentemente, da enologia siciliana.

Os Vinhos da Sicilia

Durante os anos 1800, graças também à fama de Marsala, a produção vinícola da Sicília desenvolveu-se consideravelmente e o comércio do vinho tornou-se um dos principais fatores da economia local. Foi neste período que nasceram as históricas e prestigiosas caves sicilianas: Duca di Salaparuta (1824), Florio (1836), Amodeo (1837), Rallo (1860), Curatolo Arini (1875), Carlo Pellegrino (1880) e Lombardo (1881). O desenvolvimento da viticultura siciliana durante os anos 1800 concentrou-se principalmente na área de Etnea e em 1880, Catânia era a província com mais vinhedos na Sicília, com cerca de 92.000 hectares e cerca de um milhão de hectolitros de vinho produzidos.

A produção de vinho na área de Catânia foi tão importante que a ferrovia Circumetnea foi construída para o seu transporte, o que permitiu a ligação com o porto de Riposto, de onde o vinho tomou a rota marítima para outros países. Este período de florescimento foi interrompido em 1881 com a chegada da filoxera que dizimou os vinhedos seguida em 1888 pela quebra do acordo comercial com a França causando uma queda acentuada nas exportações.

A restauração das vinhas afetadas pela filoxera durou mais de meio século e terminou na década de 1950. Durante este período, o mercado mudou consideravelmente e a procura de vinhos lotados diminuiu fortemente. Este acontecimento forçou as caves sicilianas a uma mudança drástica de produção, mas foi durante a década de 1970 que o novo desenvolvimento da enologia siciliana foi registrado em direção aos objetivos hoje consolidados.

O desenvolvimento dos últimos vinte anos da produção de vinho na Sicília permitiu que os vinhos da ilha chegassem em todo o mundo. Do renascimento do grandioso Marsala à revalorização do rico patrimônio local de uvas, a Sicília provou – mais uma vez – ser uma terra extraordinária para o vinho.

As uvas da região

Na Sicília, tanto vinhas nativas quanto variedades de uvas internacionais são cultivadas, usadas em combinações com uvas locais. A vinha e o vinho estão muito difundidos por toda a região. Muitas das vinhas nativas da ilha foram reavaliadas após terem concretamente corrido o risco de extinção e hoje estão entre as uvas importantes da Itália. Entre estas, a mais famosa casta nativa de uva é a Nero d’Avola, cujos vinhos se caracterizam por aromas intensos e estruturas impressionantes. Entre os brancos, o mais conhecido é Zibibbo (Moscato d’Alessandria) com a qual se produzem os vinhos doces de Pantelleria, hoje considerada uma das melhores da Itália.

Os Vinhos de Marche

ntre as uvas brancas mais importantes da Sicília estão Carricante, Catarratto, Grecanico, Grillo, Inzolia (também conhecida como Insolia ou Ansonica), Malvasia di Lipari e Moscato Bianco. Entre as uvas silvestres nativas estão Frappato, Nerello Cappuccio e Mascalese, Perricone ou Pignatello. As principais variedades de uvas internacionais cultivadas na Sicília são Chardonnay, Cabernet Sauvignon, Merlot, Müller-Thurgau, Pinot Noir e Syrah. Na Sicília também são cultivadas outras variedades de difusão nacional, como a Sangiovese, a Barbera e a Trebbiano Toscano.

As Denominações de origem da Região

A região conta com uma denominação DOCG, 23 DOCs e 7 IGTs, sendo elas:

DOCG

  • Cerasuolo di Vittoria

DOC

  • Alcamo
  • Condado de Sclafani
  • Contessa Entellina
  • Delia Nivolelli
  • Eloro
  • Erice
  • Etna
  • Faro
  • Malvasia delle Lipari
  • Mamertino di Milazzo ou Mamertino
  • Marsala
  • Menfi
  • Monreale
  • DOC conhecido
  • Pantelleria
  • Eu gerenciei
  • Salaparuta
  • Sambuca di Sicilia
  • Santa Margherita di Belice
  • Sciacca
  • Sicília
  • Syracuse
  • Vittoria

IGTs

  • Avola
  • Camarro
  • Fontanarossa di Cerda
  • Salemi
  • Salina
  • Terre Siciliane
  • Valle Belice

Cerasuolo di Vittoria DOCG

A denominação de origem do Cerasuolo di Vittoria DOCG está reservada aos vinhos tintos produzidos a partir de uvas das vinhas de Nero d’Avola (Calabrese) a 50-70% e Frappato de 30% a 50%.

A área de produção de Cerasuolo di Vittoria DOCG e Cerasuolo di Vittoria Classico DOCG inclui uma vasta área que inclui territórios pertencentes a três províncias vizinhas, Ragusa, Caltanissetta e Catania. A área é limitada ao norte pelo complexo de Erei, a sul pelo mar Mediterrâneo, a leste pelas montanhas Iblei e a oeste pelas colinas central e meridional da província de Caltanissetta.

Os Vinhos da Sicilia

As características dos vinhos Cerasuolo di Vittoria DOCG e  Cerasuolo di Vittoria Classico DOCG determinam seu equilíbrio gustativo; em particular do ponto de vista organoléptico têm uma cor típica do vermelho cereja ao vermelho púrpura, que com o envelhecimento tende a granada; um perfume que varia de floral a frutado; um sabor seco, cheio, macio e harmonioso .

A área de produção inclui, para a província de Ragusa, o território dos municípios de Vittoria, Comiso, Acate, Chiaramonte Gulfi, Santa Croce Camerina e, em parte, o território do município de Ragusa. Para a província de Caltanissetta, parte do território dos municípios de Niscemi, Gela, Riesi, Butera e Mazzarino. E para a província de Catânia, parte do território dos municípios de Caltagirone, Licodia Eubea e Mazzarrone.

Alcamo DOC

A denominação Alcamo DOC inclui vinhos tintos, brancos e rosés de uma área localizada imediatamente a sudoeste de Palermo. A DOC leva o nome de Alcamo, uma cidade histórica na parte oriental da província de Trapani, e seu território abrange nove municípios ao redor da cidade, a saber Calatafimi, Castellammare del Golfo, Gibellina, Balestrate, Camporeale, Monreale , Partinico, San Cipirello e San Giuseppe Jato. A denominação foi criada em julho de 1972 e inicialmente abrangia exclusivamente o tipo de vinho Alcamo White.

Na sequência de uma revisão feita em 1999, o nome passou a incluir vários tipos de vinhos, nomeadamente o espumante (branco e rosé), o noviço e o vinho fresco de vindima tardia. Em linha com as tendências atuais do mercado, Alcamo DOC também inclui diversos vinhos varietais: Nero d’Avola, Cabernet Sauvignon, Merlot e Syrah para os tintos; e Sauvignon, Chardonnay, Grillo, Catarratto, Inzolia (Ansonica) e Grecanino para brancos.

As áreas Cultivadas

A região vitivinícola da Sicília também inclui, além da própria ilha (a maior do Mediterrâneo), as Ilhas Eólias e Pantelleria. Outras ilhas ou arquipélagos menores não são relevantes a este respeito. A área de vinhedos está entre as mais importantes da Itália, cerca de 107.000 hectares (o dobro de uma região como Emilia-Romagna ou Toscana e cerca de 15% a mais que Puglia). O território siciliano é acidentado em cerca de 60%, montanhoso em 25% e plano nos 15% restantes.

Os Vinhos da Sicilia

Sobre a área da única DOCG da região, que produz um dos vinhos mais famosos da ilha, com uma longa história, o Cerasuolo di Vittoria. É uma região localizada nas terras do  sudeste da Sicília. Um território que sempre foi muito propício ao cultivo da vinha. O território é caracterizado por um clima ameno e mediterrâneo, mitigado pela brisa marítima. Os solos são bastante pobres, ricos em areias e componentes calcários. As vinhas  estão inseridas numa bela paisagem, rica em oliveiras e alfarrobeiras, que se inclina suavemente em direção ao mar.

Visite a Sicília e conheça essa impressionante e imponente ilha! Consulte nossos planos de viagens e aproveite seus momentos de lazer conhecendo mais sobre os vinhos locais!

Sobre Deyse RibeiroDeyse Ribeiro é natural de Minas Gerais, mas vive na Toscana desde 2007. Fez curso de sommelier na FISAR, master em Wine Expert (Academia del Gusto) e Guia Enológica na Itália. É empresária, guia de turismo, especialista em turismo de experiência na Itália, além de editora do Portal Tour na Itália, e deste site.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *