Vinho Italiano

Os vinhos da região de Marche

A região de Marche é repleta de vinhedos capazes de oferecer interessantes rótulos brancos e tintos, uma excelente região a ser explorada pelos viajantes.

O progresso da enologia e do vinho italiano nas últimas 3 a 4 décadas é verdadeiramente notável. A qualidade dos vinhos de cada região tem surpreendido safra após safra em um processo de renovação de qualidade que, talvez, poucos poderiam ter imaginado.

Muitas regiões recuperaram seu prestígio investindo mais na qualidade do que na quantidade, abandonando a produção meramente industrial e comercial de um passado que tem ficado cada vez mais distante na história.

Há, de fato, muitas regiões da Itália que, no rastro desta renovação, têm contado com as muitas uvas presentes nos seus territórios, valorizando e explorando o melhor de suas castas nativas. Dentre essas regiões, encontramos o Marche, que contou com a valorização de sua mais famosa uva, a Verdicchio, hoje um dos vinhos brancos mais famosos da Itália. Um sucesso que envolveu também os tintos da região, como Rosso Conero, Rosso Piceno, Vernaccia di Serrapetrona e Lacrima di Morro d’Alba.

Os Vinhos de Marche

A História da Viticultura da região de Marche

As origens da viticultura e da produção de vinho na região de Marche remontam à era etrusca, entre os séculos X e VIII a.C, quando se difundiu o sistema de cultivo característico da videira casada – na região de Marche também chamada de “folignata” – que consistia em usar uma árvore alta para escalar a videira.

A presença da videira na antiguidade também é atestada pela descoberta de um túmulo de um guerreiro do século VIII a.C, no interior do qual existia uma bacia de bronze com mais de 200 sementes de uva de vitis vinifera. Embora Plínio, o Velho, tivesse escrito sobre os vinhos de Marche em sua importante obra “Naturalis Historia”- qualificando os vinhos desta terra como generosos – só no final de 1500 é que as uvas e os vinhos da região foram descritos em profundidade. Andrea Bacci – filósofo, médico e escritor nascido em Sant’Elpidio, na região de Marche – publicou em 1595 a sua monumental e importante obra “De Naturali Vinorum Historia” (História Natural dos Vinhos).

Os Vinhos de Marche

No quinto livro “Vinhos das várias partes da Itália”, Andrea Bacci descreve as diferentes zonas da região de Marche, identificando vinte territórios diferentes, bem como as técnicas de cultivo e vinificação típicas da região. A viticultura e a produção de vinho eram muito difundidas na região muito antes da época de Andrea Bacci, uma difusão que começou em 1200 e que já nessa altura era regulada por editais e normas específicas sobre como e o que plantar nas vinhas. Naquela época existiam até leis que protegiam a autenticidade do vinho, punindo severamente quem o adulterava ou, por exemplo, o diluía com água antes de vendê-lo. Em 1579, em um documento que exigia o tipo de videira a ser plantada em um vinhedo, a uva Verdicchio referente ao território da Matelica foi mencionada pela primeira vez.

No início dos anos 1800, a agricultura de Marche caracterizava-se principalmente pelo cultivo de cereais e os campos eram atravessados ​​por fileiras de vinhas, uma convivência cultural que permitia obter da mesma terra os dois principais bens de subsistência do povo: pão e vinho. Naquela época, as uvas brancas mais cultivadas – e também consideradas as melhores – eram Verdicchio, Trebbiano, Moscatello Bianco e Uva Bianca della Maddalena; entre as uvas tintas, as melhores foram Balsamina, Vernaccia e Moscatello Aleatico. Também em 1800 existem testemunhos sobre a dificuldade de conservação dos vinhos, pelo que se sugeriu a confecção do mosto para a produção do denominado “vinho cozido”, tradição ainda hoje em dia na zona de Piceno e que também se encontra em Abruzzo.

A década de 1900 ainda vê a importância da área de Piceno como o maior produtor de vinhos da região confirmada, em particular os produzidos com as uvas Sangiovese e Montepulciano, enquanto na parte norte a produção incidiu principalmente sobre os vinhos brancos das castas Verdicchio, Trebbiano e Malvasia. Só na década de 1950 terá lugar o primeiro evento comercial significativo para a venda do vinho da região. A família Angelini, dona da Fazi Battaglia, lançou um concurso que visava criar uma garrafa que caracterizasse a comercialização do Verdicchio. Em 1953, o arquiteto milanês Antonio Maiocchi desenhou o que logo se tornou a garrafa em forma de ânfora e que ainda hoje está associada a Verdicchio. A forma da ânfora foi escolhida em memória dos recipientes tipicamente utilizados pelos etruscos e também o rótulo retratou personagens que remetiam à escrita etrusca, sublinhando o desejo de manter a ligação deste vinho com a sua história.

A celebridade da ânfora teve um papel importante na reavaliação e no desenvolvimento da Verdicchio, hoje uma das mais interessantes uvas com bagas brancas nativas da Itália. Que a Verdicchio seja uma grande uva capaz de grandes vinhos não é mais uma novidade – muitas vezes capaz de vinhos tão robustos que podem ser definidos como vinhos tintos com uma cor branca- no entanto, apesar da notoriedade desta uva, nas Marcas também existem outras interessantes uvas nativas que nos últimos tempos têm conseguido ganhar destaque na cena internacional. Entre estes, o Lacrima di Morro d’Alba e, em particular, o Vernaccia Nera di Serrapetrona, os vinhos deste último obtiveram recentemente a Denominação de Origem Controlada e Garantida (DOCG), juntamente com a outra celebridade dos vinhos tintos do Marche: o Rosso Conero. Entre os outros vinhos que surgiram nos últimos tempos, podemos nos referir também ao excelente Rosso Piceno que – tal como o Rosso Conero – é produzido com Montepulciano e Sangiovese.

As uvas da região

As vinhas cultivadas em Marche são 60% brancas (especialmente Verdicchio). A Verdicchio é hoje uma das mais interessantes uvas com bagas brancas nativas da Itália, capaz de vinhos complexos e bem estruturados. Entre as variedades de uvas tintas, as mais importantes são a Montepulciano e a Sangiovese. Na região também existem vinhas autóctones como a Lacrima , uma casta negra de berrada caracterizada por uma componente aromática muito original, e a Vernaccia negra. No Marche também são cultivadas Chardonnay, Ciliegiolo, Passerina, Pecorino , Trebbiano Toscano e Malvasia branca comprida.

Os Vinhos de Marche

As Denominações de origem da Região

A região de Marche apresenta 5 Denominações DOCG, 15 DOC e um IGT, sendo assim nomeadas:

DOCG

  • Castelos de Jesi Verdicchio Riserva
  • Conero
  • Offida
  • Verdicchio di Matelica Riserva
  • Vernaccia di Serrapetrona

Os Vinhos de Marche

DOC

  • Bianchello del Metauro
  • Colli Maceratesi
  • Colli Pesaresi
  • Esino
  • Falerio
  • As terras de San Severino
  • Lacrima di Morro d’Alba
  • Pergola
  • Rosso Conero
  • Rosso Piceno
  • San Ginesio
  • Serrapetrona
  • Terre di Offida
  • Verdicchio dei Castelli di Jesi
  • Verdicchio di Matelica

IGT

  • Marcas

Destacamos:

Castelos de Jesi Verdicchio Riserva DOCG

Uma das uvas mais famosas de Marche, aquela que mais do que outras contribuiu para a afirmação da enologia desta região, conforme já citamos, é a Verdicchio. Esta famosa uva branca é o protagonista absoluto de duas áreas com Denominação de Origem Controlada da Marche: os Castelos de Jesi e Matelica. Duas formas diferentes de interpretar Verdicchio: é difícil dizer qual dos dois é o melhor, pois ambos são excelentes. Dos dois, o mais famoso é certamente o do Castelli di Jesi e que prevê a definição da área clássica.

A Verdicchio é uma uva extremamente versátil e além da produção de vinhos secos, também é utilizada para vinhos doces e espumantes. As características dos vinhos produzidos com o Verdicchio são bastante variadas, desde vinhos leves e frescos, até vinhos robustos e estruturados, cujo corpo pode ainda ser aumentado pelo envelhecimento em casco.

A área de produção engloba, para a província de Ancona, o território dos municípios de Arcevia, Barbara, Belvedere Ostrense, Castelbellino, Castelplanio, Corinaldo, Cupramontana, Maiolati Spontini, Mergo, Montecarotto, Monte Roberto, Morro d’Alba, Ostra, Poggio San Marcello, Rosora, San Marcello, San Paolo di Jesi, Senigallia, Serra de ‘Conti, Serra San Quirico e Staffolo; e para a província de Macerata, o território dos municípios de Apiro, Cingoli e Poggio San Vicino.

As áreas cultivadas

O Marche é um território muito variado, 70% acidentado e 30% montanhoso. As faixas planas são limitadas a pequenas áreas ao longo da costa e ao longo dos rios. O clima é muito variado, dependendo da disposição e da altitude dos relevos. É mais mediterrâneo ao longo da costa e a sul e mais continental para o interior e para o norte, com maiores variações de temperatura e maior risco de geadas.

As suas características climáticas fazem da região de Marche uma região particularmente votada para a viticultura, de fato os seus 19.000 hectares de vinhas estão quase na sua totalidade em zonas acidentadas que garantem uma produção superior a um milhão de hectolitros de vinho por ano.

A região oferece uma grande variedade de paisagens. A parte ocidental da região é caracterizada pelos Apeninos e avançando para o leste, após ter atravessado territórios montanhosos divididos por vales, chega-se ao Mar Adriático. O cultivo da vinha acontece principalmente nas zonas montanhosas e as variedades principalmente presentes nas vinhas, conforme citado acima, são Verdicchio, Trebbiano Toscano, Montepulciano e Sangiovese.

Os Vinhos de Marche

Nos últimos tempos tem havido uma maior presença nas vinhas das chamadas uvas internacionais, frequentemente utilizado para a produção de vinhos misturados com outras uvas locais.

Achou esse artigo útil? Compartilhe com seus companheiros e companheiras de viagem e consulte nossas rotas especiais para o enoturismo na Itália!

Sobre Deyse RibeiroDeyse Ribeiro é natural de Minas Gerais, mas vive na Toscana desde 2007. Fez curso de sommelier na FISAR, master em Wine Expert (Academia del Gusto) e Guia Enológica na Itália. É empresária, guia de turismo, especialista em turismo de experiência na Itália, além de editora do Portal Tour na Itália, e deste site.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.