Vinho Italiano

Os vinhos do Lazio

Lazio é uma região da Itália central com cinco milhões de habitantes e 17 203 km², cuja capital é Roma – também capital do país.

Tem limites ao norte com a Toscana e Úmbria, a leste com Marche, Abruzzo e Molise, ao sul com a Campânia e a oeste com o Mar Tirreno.

Uma característica da Lazio é a produção familiar de vinho muito difundida, voltada até mesmo para o autoconsumo. Com o surgimento da chamada viticultura moderna, a tendência para a produção de grandes quantidades de vinho prevaleceu também no Lazio. Essa modernização incidiu principalmente nas adegas sociais, que se dotaram de sistemas industriais de vinificação. Com isso, perdeu-se muito na qualidade.

Mas de uns tempos para cá, sobretudo a partir dos anos de 1990, felizmente, para o deleite dos apreciadores mais entusiasmados, as coisas estão mudando. Muitos enólogos optaram por apostar nos excelentes vinhos explorando sobretudo o potencial das vinhas nativas, escolha que tem se mostrado ter sido a melhor que puderam fazer, pois a região ganhou notabilidade por causa de seus exuberantes vinhos.

Os Vinhos do Lazio

A história da viticultura do Lazio

O Lázio é de grande importância para a história, as artes, a arquitetura, a religião e para a cultura em geral. O imenso patrimônio da cidade de Roma forma apenas uma parte da riqueza que se estendia pelas centenas de cidades, vilas, abadias, igrejas, monumentos e outros locais da região; que se estende da cordilheira dos Apeninos, espinha dorsal da Península Itálica, ao mar Tirreno.

Seu nome, originalmente Latium, remete aos latinos, povo do qual os romanos descendem e cujo idioma, o latim, tornou-se a língua formal do Império Romano, tendo sido amplamente difundido nos territórios sob o seu domínio. De enorme importância histórica e cultural, foi o local onde Roma foi fundada, acredita-se que no século VIII a.C. O nome da região acabou por denominar também o internacionalmente conhecido clube de futebol da capital do país (SS Lazio).

A região que se tornaria o Lazio era habitada, nos séculos anteriores à habitação dos romanos, por diversos povos, alguns de origem não europeia. Foi dominada pelos etruscos, tanto cultural como politicamente, mas era uma região com várias culturas locais, onde cada cidade-estado possuía a sua própria, de alguma forma relativa à Grécia. De fato, o comércio com os gregos e com os fenícios influenciou fortemente a cultura etrusca, que adquiriu seu alfabeto (depois herdado por Roma) e alguns traços culturais a partir destas duas fontes.

E foi justamente o povo etrusco que iniciou a exploração de todo o potencial vinícola dessas terras.

Ao mesmo tempo em que as tribos europeias mais tardias deslocavam-se em direção à Grécia, outras tribos, de parentesco próximo, invadiram muitas outras regiões, incluindo aquela que um dia se tornaria a Itália. Entre estas tribos estavam os povos que hoje chamam-se latinos, que se estabeleceram no (que hoje se chama) Lazio. Inicialmente foram vistos como recém-chegados – um tipo de subclasse – pela maioria das pessoas das cidades-estados locais.

Sua chegada, entretanto, sujeitou essas cidades-locais a uma grande dose de imperialismo. Terminaram unindo-se contra os etruscos e contra os samnitas, tomando parte numa série de guerras que só terminariam em 338 a.C., culminando com sua cidade principal, Roma, exercendo domínio sobre toda a região. Após a Guerra Social (91–88 a.C.), Roma concedeu cidadania a todos os povos da região.

O desenvolvimento de Roma como capital imperial certamente teve um grande impacto nas características e extensão do território. Depois do império, a tradição enológica foi recolhida pelo monarquismo e depois cultivada pelos papas do Renascimento. Nos séculos XVIII e XIX a cultura do vinho no Estado da Igreja declinou, até a chegada dos Piemonteses. No final do século XIX, os vinhos mais conhecidos da Lazio eram Castelli Romani, Frascati, Marino, l’Est! Leste!! Está !!!, todos obtidos de vinhas nativas.

 As uvas da região

Lazio possui uma grande variedade de vinhas cultivadas, tanto nativas como internacionais. Entre as castas mais escuras, a casta autóctone (nativa) mais importante é sem dúvida a Cesanese, que é a base de vinhos de excelência absoluta. Montepulciano, Ciliegiolo, Merlot, Cabernet Sauvignon e, em alguns casos, também Barbera também são fáceis de encontrar na região.

Os Vinhos do Lazio

Os vinhos brancos são obtidos principalmente com Malvasie e Trebbiani, entre os quais podemos citar os Malvasia Bianca Lunga, Malvasia bianca di Candia, Malvasia del Lazio (com os clones Bellone, Cacchione e Bonvino bianco), Trebbiano Giallo e Trebbiano Toscano e Trebbiano del Lazio.

Há também a Grechetto, que é uma videira cultivada principalmente nas áreas de Viterbo, na fronteira com a Umbria.

As Denominações de origem da Região

Lazio possui 3 Denominações de origem Controlada e garantia (DOCG), 27 DOCs e 6 IGTs, sendo elas assim denominadas:

DOCG

  • Cannellino di Frascati
  • Cesanese del Piglio ou Piglio
  • Frascati Superiore

Os Vinhos do Lazio

DOC

  1. Aleatico di Gradoli
  2. Aprilia
  3. Atina
  4. White Capena
  5. Castelli Romani
  6. Cerveteri
  7. Cesanese di Affile ou Affile
  8. Cesanese di Olevano Romano ou Olevano Romano
  9. Circeo
  10. Colli Albani
  11. Colli della Sabina
  12. Colli Etruschi Viterbesi ou Tuscia
  13. Colli Lanuvini
  14. Leste!! Leste!! Leste!! de Montefiascone
  15. Frascati
  16. Genazzano
  17. Marino
  18. Montecompatri Colonna
  19. Neptune
  20. Orvieto
  21. Roma
  22. Tarquinia
  23. Terracina ou Moscato di Terracina
  24. Velletri
  25. Vignanello
  26. Zagarolo

IGTs

  • Anagni
  • Civitella d’Agliano
  • Colli Cimini
  • Costa Etrusco Romana
  • Frusinate ou Frusinate
  • Lazio

 Podemos, dentre elas, destacar:

  • Cannellino di Frascati DOCG

A denoinação de origem Cannellino di Frascati DOCG está reservada aos vinhos produzidos a partir de uvas com a seguinte composição varietal: branco Malvasia di Candia e/ou Malvasia del Lazio (Malvasia puntinata), pelo menos 70%; Bellone, branco Bombino, branco grego, Trebbiano, amarelo Trebbiano até um máximo de 30%; e outras variedades de brancas.

A área geográfica da denominação Atina DOC situa- se na parte sudeste da região do Lázio, na província de Frosinone: a área, que se estende por cerca de 11.350 hectares, inclui o Val di Comino e as colinas que o rodeiam. As vinhas aptas para a produção dos vinhos Atina DOC são as tradicionalmente cultivadas na área geográfica considerada: Cabernet Sauvignon e Cabernet Franc para os tintos e Semillon para os brancos.

  • Atina DOC

O DOC Atina inclui quatro tipos de vinho tinto (“ Atina rosso ”, “ Atina rosso Riserva ”, “ Atina Cabernet ” e “ Atina Cabernet Riserva ”) e um tipo de vinho branco (“ Atina Semillon ”).

Especificamente, os tipos individuais de vinho são caracterizados da seguinte forma:

” Atina ” vermelho: boa estrutura e presença de taninos, os quais conferem ao vinho uma ausência de rugosidade, com tons avermelhados, aroma frutado, harmonioso e herbáceo.

Riserva tinto “ Atina ”: boa estrutura e presença de taninos e polifenóis, que conferem ao vinho um caráter encorpado, ausência de aspereza e boa longevidade. O vinho apresenta uma cor vermelha mais ou menos intensa, um odor característico da vinha de base com aromas frutados, um sabor harmonioso, pleno, seco, por vezes herbáceo.

Cabernet ” Atina “: boa estrutura e presença de taninos e polifenóis, que conferem ao vinho caráter encorpado e sem rugosidade, com cor vermelha mais ou menos intensa, aroma frutado, característico da casta base, harmonioso, cheio, sabor seco, às vezes herbáceo.

Cabernet Riserva “ Atina ”: boa estrutura e presença de taninos e polifenóis, que conferem ao vinho um caráter encorpado, ausência de aspereza e boa longevidade. O vinho tem uma cor vermelha mais ou menos intensa tendendo a granada com o envelhecimento, um odor característico da casta base com aromas frutados que se desvanecem a favor dos picantes ou fenólicos associados à madeira, um sabor harmonioso, cheio, seco, por vezes herbáceo.

Os Vinhos do Lazio

Semillon ” Atina “: vinho fresco e equilibrado , com uma cor amarelo palha mais ou menos intensa, aroma delicado com notas florais e frutadas , sabor seco , saboroso , macio e persistente. Pouca adstringência e boa estrutura, que contribuem para o seu sabor gustativo equilíbrio.

A área de produção inclui todo o território administrativo dos municípios de Frascati , Grottaferrata , Monte Porzio Catone e, em parte, os de Roma e Montecompatri. A área de produção se estende por cerca de 8.300 hectares e inclui o sopé e as encostas da encosta norte das Colinas Albanas .

As áreas Cultivadas

A área vinícola mais importante do Lázio são as colinas que se erguem a sudeste de Roma, chamadas Castelli Romani, pontilhadas de vilas e vilas medievais, vinhas e bosques. Lá predominam as uvas brancas como Malvasia del Lazio e Trebbiano amarelo; depois o Bellone e outras variedades locais. Entre as tintas, destacam-se a Cesanese, Sangiovese e Montepulciano, mas também Merlot, Ciliegiolo e Bombino Nero. O Castelli Romani DOC é a referência da área, outros são Montecompatri Colonna DOC, Zagarolo DOC, Cori DOC e outros.

Entre Roma e Frosinone, em Ciociaria, fica a área de Cesanese, uma casta nativa de uva negra que dá origem a vinhos tintos de grande estrutura, como é o caso de Cesanese del Piglio DOCG ou Cesanese di Affile DOC ou Olevano Romano. Nas misturas, o Cesanese é frequentemente ladeado por Barbera, Montepulciano e Sangiovese. A quarta denominação da área é o Genazzano DOC, nos tipos branco e vermelho.

Os Vinhos do Lazio

Na província de Latina prevalecem os vinhos tintos, por exemplo no DOC Aprilia. No território costeiro que vai de Latina a Terracina existe a denominação Circeo DOC, com referência ao promontório que caracteriza a sua paisagem.

Na província de Viterbo, nos solos vulcânicos em torno do Lago Bolsena, cultivam-se principalmente uvas brancas, como Trebbiano Toscano e Giallo, bem como Malvasia puntinata (do Lácio). O vinho mais famoso é o Est! Leste!! Est !!! de Montefiascone DOC; entre os vinhos tintos o Aleatico di Gradoli DOC. As outras duas denominações da área são Tarquinia DOC e Cerveteri DOC (na província de Roma).

Os vinhedos da província de Rieti estão localizados no sopé dos Apeninos. O Colli della Sabina DOC é compartilhado com a província de Roma e inclui quase toda a margem direita do Tibre.

Portanto, essa é mais uma região que todo amante dos vinhos deve conhecer e certamente será amor à primeira visita! Além de abrigar a imponente capital, Roma, Lazio têm histórias de sobra para contar a todos os visitantes.

Sobre Deyse RibeiroDeyse Ribeiro é natural de Minas Gerais, mas vive na Toscana desde 2007. Fez curso de sommelier na FISAR, master em Wine Expert (Academia del Gusto) e Guia Enológica na Itália. É empresária, guia de turismo, especialista em turismo de experiência na Itália, além de editora do Portal Tour na Itália, e deste site.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *