Vinho Italiano

A História do Limoncello

O Limoncello é um delicioso licor doce obtido de uma receita antiga, que é passada de geração em geração. O licor é produzido pela infusão das cascas dos melhores limões em álcool, misturado a água, açúcar e muito amor.

O Limoncello é tão famoso que representa a Itália no mundo todo. Atualmente o licor é um dos produtos enogastronômicos mais famosos da Itália. Pode ser tomado de várias maneiras, bem gelado ou em temperatura ambiente, assim como misturado com água tônica e manjericão ou com champagne, entre várias outras opções.

Em Nápoles, o licor é bastante consumido após as refeições, como o almoço e o jantar. É consumido como se fosse o nosso cafezinho aqui no Brasil. Algumas pessoas, inclusive, o consome como aperitivo, antes de começar um jantar, por exemplo.

É um produto apreciado pelos Italianos e por todos que o provam. Vamos conhecer um pouco sobre a história do Limoncello e suas curiosidades.

A origem do Limoncello

Segundo a tradição, o limoncello nasceu no início do século XX com as grandes famílias de Sorrento sempre ofereciam aos seus hóspedes um copo de Limoncello, o licor era produzido em casa, utilizando os melhores citrinos dos limoeiros da família.

A sua paternidade porém, é disputada entre Sorrento, Amalfi, Capri e Sardenha: muito famoso, aliás, é aquele produzido na Campânia usando o limão de Sorrento (o ” feminello”) ou o sfusato amalfitano IGP.

A tese mais acertada é de que o licor Limoncello nasceu em Capri mesmo no início de 1900, em uma pequena pousada “Ilha Azul”, onde a Sra. Maria Antonia Farace cuidava de um exuberante jardim de limões e laranjas. Após a guerra, seu neto abriu um restaurante ao lado da vila de Axel Munte, o pai da psiquiatria moderna. A especialidade daquele bar era o licor de limão feito com a receita da velha avó. Axel Munte e os muitos amigos intelectuais iam depois do almoço à casa da dona Maria Antonia Farace para provar este famoso digestivo feito segundo receita de avó.

Em 1988, seu filho Massimo Canale, por sua vez, iniciou uma pequena produção artesanal de limoncello, registrando a marca. Mas na realidade, mesmo em Sorrento e Amalfi, lendas e contos sobre a produção do tradicional licor.

No litoral, por exemplo, a história conta que as grandes famílias sorrentinas, no início dos anos 1900, nunca deixavam ilustres convidados perder o sabor do limoncello, feito segundo a receita tradicional. Em Amalfi, há mesmo quem afirme que o licor tem origens muito antigas, quase ligadas ao cultivo de limões. No entanto, como muitas vezes acontece nestas circunstâncias, a verdade é nebulosa e as hipóteses são muitas e sugestivas.

Voltar à origem do limoncello é impossível ainda porque, segundo alguns, nasceu ainda na época romana, juntamente com o desenvolvimento do cultivo do limão na região, como evidenciam os afrescos encontrados em Pompéia: por isso falamos de uma “descoberta ” de 1900 e não de invenção do limoncello. Algumas lendas colocam o limoncello na época das invasões sarracenas, muito antes do ano 1000 e, segundo alguns, essa bebida se deve aos povos da Península Arábica, pois foram os primeiros a cultivar limões. Por fim, há quem diga que o limoncello era usado por pescadores e agricultores pela manhã para combater o frio, já na época da invasão dos sarracenos. Outros, porém, acreditam que a receita nasceu dentro de um convento monástico para deliciar os frades entre uma oração e outra. A verdade, talvez, nunca saberemos. Mas para além das questões puramente paroquiais, o tradicional licor amarelo cruza fronteiras há décadas, conquistando mercados em todo o mundo.

O nome

O nome “limoncello” teria vindo de um termo carinhoso para a palavra “limão”. O termo inicialmente se referia a uma variedade menor de limões (provavelmente lima).

Já estava em uso em 1590, como evidenciado na obra Vocabulario De Las Dos Lenguas Toscana y Castellana (1590) de Cristobal Las Casas. De acordo com o dicionário Sabatini Colletti, remonta ao século 14. Semelhante ao termo “limoncello” também seria o termo “limoncino”.

A terceira edição (1691) do vocabulário dos Acadêmicos da Crusca relata o termo “limoncello” com o significado (ou combinação) de “água de cedro”. O termo” limoncello”, de fato, em certo momento também assumiu o significado de limonada, que era usada como remédio. Doutor Francesco Redi (1687), entre outros, inseriu a palavra “limoncello” em uma de suas rimas: “A água limoncello cidra é varrida do nosso albergue”.

O uso da palavra “limoncello” para se referir a um licor com sabor de limão é provavelmente uma combinação relativamente recente que se estabeleceu no século XX.

O Limoncello hoje

Garrafas de limoncello estão nas prateleiras dos mercados estrangeiros e novos cenários comerciais importantes estão se desenvolvendo nos mercados asiáticos. O Limoncello, portanto, corre o risco de se tornar um produto de classe mundial ao nível do Bitter ou do Amaretto.

E para se defender das imitações, também foram tomadas medidas, reservando-se a denominação de Indicação Geográfica Protegida (IGP) para a produção do característico “oval” de Sorrento. O limão Sorrento original deve ser produzido em um dos municípios da região que vai de Vico Equense a Massa Lubrense e na ilha de Capri.

Os limões Sfusato Amalfitano são cultivados numa área de 700 hectares de limoeiros, produzidos por cerca de 1500 vinicultores. A produção média por hectare é de 2 toneladas. Como referência, a área de produção de Cognac se estende por 594.740 hectares.

O fruto é caracterizado por uma forma elíptica alongada, a pele é lisa e amarelo citrino. O peso do fruto é sempre estimado a partir de 100 g. O aroma e aroma são intensos e muito fortes, o suco abundante e muito ácido, é amarelo palha com poucas sementes.

O limão na Costa Amalfitana ainda hoje é cultivado em plena conformidade com as técnicas agrícolas tradicionais, fazendo com que os limoeiros cresçam nos terraços típicos, chamados de “macerine“. O cultivo é feito sob andaimes de postes de castanheiro, de altura variável, que são protegidos nos períodos de frio para evitar que as plantas sejam submetidas ao frio.

As plantas estão posicionadas a uma distância segura umas das outras: em cada hectare cultivado há mais de 800 plantas, o que corresponde a uma capacidade máxima de produção de 35 toneladas de limões.

O limão da Costa Amalfitana é protegido pela marca de Indicação Geográfica Protegida (IGP), que garante a procedência e a qualidade do produto reconhecida histórica e tradicionalmente pelo mercado.

O que faz o Limoncello ser tão famoso

Nos anos 80, em parte devido à cor brilhante tão na moda naqueles anos, em parte devido ao baixíssimo custo de preparação, invadiu literalmente as mesas das tabernas de toda a Itália e muitas vezes ainda hoje as trattorias oferecem limoncello no final da refeição.

A história do limoncello não será conhecida com precisão, mas certamente não acabou: hoje o licor está na lista dos produtos alimentícios tradicionais italianos; um reconhecimento posterior com o DOC não pode ser excluído.

Limoncello nos Estados Unidos com Clooney e De Vito

Hoje o limoncello é um licor mundialmente famoso; grande parte dessa fama ele deve a dois atores: George Clooney e Danny De Vito. Mas o que os dois artistas fizeram?

Em 2006 De Vito é convidado do The View, um dos programas mais seguidos nos Estados Unidos, na época conduzido por Rosie O’Donnel. O ator ítalo-americano aparece visivelmente bêbado e se justifica dizendo que “os últimos sete limoncellos” me deixaram bêbados na casa de Clooney no dia anterior.

As vendas do licor italiano disparam após esta declaração e De Vito, em parte por negócios, em parte porque é um grande entusiasta, ele começa a produzir seu próprio limoncello, tornando-se o primeiro grande artista a se tornar um produtor alcoólico. Clooney seguirá de perto e, ao longo dos anos, muitos outros, como Ryan Reynolds, Jay-Z, Drake, Dan Akroyd, Francis Ford Coppola.

O limoncello de De Vito, Danny Devito’s Premium Original Limoncello Liqueur, praticamente não se encontra em lugar nenhum online, porque a produção deveria ser retomada em fevereiro, mas, devido à pandemia, o ator parou tudo. Nos supermercados americanos o produto é muito mais caro do que o seu primo italiano: cerca de 25 dólares por uma garrafa de 70 cl em comparação com os 12 euros com os quais se pode encontrar alguns dos melhores limoncellos da Campânia.

O melhor limoncello do mercado

A premissa básica é um conselho: vá à Costa Amalfitana e experimente o licor onde tem suas raízes, nas pequenas lojas e restaurantes para provar a verdadeira essência dos limões de Sorrento e Amalfi. 

Não perca o limoncello da Amalfi Lemon Trading, um  Limoncello Amalfitano com 32° de álcool, feito de acordo com a tradicional receita familiar transmitida por 7 gerações em que são usados ​​apenas limões orgânicos certificados pelo IGP da Costa Amalfitana, cultivados na fazenda.

Nas mesas dos entusiastas então não pode faltar o limoncello de Villa Massa, empresa que produz limões desde 1890 cujo limoeiro é feito exclusivamente com a pérgola, o conjunto de esteiras de palha características assentes em andaimes de postes de castanheiro, que protegem as árvores de agentes atmosféricos retardando sua maturação. Também muito bom é o limoncello da Il gusto della costa, empresa de Positano, que obtém este licor do “Sfusato Amalfitano“, um limão que deve o seu nome à forma alongada e fusiforme.

Finalmente, não podemos ignorar “O melhor limoncello do mundo” que, surpreendentemente, não é de Sorrento, Amalfi ou Capri, mas holandês 😱 de acordo com o International Wine & Spirit Competition. Este é o Drunken Monkey e é feito pelo chef Titus Meijer e sua parceira Melissa Oosten, dois holandeses apaixonados pela Costa Amalfitana 😱.

 

 

O segredo do limoncello

O segredo do limoncello? Além de limões de Sorrento, a geladeira. É uma questão de graus e o licor de limão torna-se limoncello: a baixa temperatura a sensação doce é envolvida pela frescura que realça o aroma cítrico e que constitui a sua tipicidade irrepetível.

Curiosidade: Em 2000, o Istat incluiu o limoncello na cesta usada para calcular o aumento mensal da inflação.

Limoncello e Limoncino da Liguria são a mesma coisa?

Não exatamente. Ambos são obtidos macerando as cascas de limão em álcool, e água e açúcar são então adicionados a esta infusão. Para o limoncino da Ligúria, o tempo de infusão é de cerca de um mês, dois de acordo com a receita do limoncello da Campânia.

O limoncino da Ligúria é obtido a partir de limões da Riviera delle Palme (de Varazze a Andora). A receita deste “néctar de limão”, nas palavras de Eugenio Montale, remonta ao século XIX. Já o de Cinque Terre é um produto orgânico protegido pela Região e pelo Parque Cinque Terre e distinguido pela marca de qualidade de produtos típicos.

Os ingredientes e a preparação

Se o Limoncello em sua versão original possui um sabor único graças aos seus limões especiais, o seu sucesso se tornou internacional e a fabricação, que era caseira, foi expandida.

Dificilmente você conseguirá criar um tradicional Limoncello, isso porque os famosos limões de Sorrento não praticamente impossíveis de serem encontrados. Mas, a produção segue três importantes etapas:

  • Os limões devem ser de qualidade, de preferência orgânicos, já que é feito com suas raspas. Devem ter tamanho médio e casca perfeita, sem nenhuma marca.
  • Devem ser lavados em água fria com ajuda de uma escova macia.
  • Somente as raspas da pele do limão devem ser usadas, evitando a pele branca que o tornará amargo.
  • É na infusão no álcool que são liberados os óleos essenciais que dão todo o sabor ao licor. Sua maceração pede no mínimo um mês.

Limoncello Caseiro

Este licor italiano de limão leva uns dias para ficar pronto. Mas o trabalho é todo do tempo, que trata de deixar o licor com um sabor agradável. Mantenha no congelador e sirva, bem gelado, como digestivo, ou use para fazer drinques.

Ingredientes:

  • 5 limões tipo sicilianos
  • 500 ml de vodca
  • 1 ½ xícara (chá) de açúcar
  • 1 ½ xícara (chá) de água

Modo de Preparo:

1. Com uma escovinha para legumes, lave bem as cascas dos limões sob água corrente e seque bem cada um – é importante que as cascas estejam secas para fazer o licor. Com uma faca de legumes bem afiada (ou descascador) descasque os limões com bastante cuidado para não tirar a parte branca, ela amarga a receita.

2. Coloque as cascas dos limões num pote com fechamento hermético, cubra com a vodca (ou alcool que é melhor) e tampe – o pote precisa ter fechamento hermético para o álcool não evaporar. Deixe descansar por pelo menos 5 dias para o limão liberar todo o aroma e sabor na vodca (se estiver com mais tempo, deixe por 1 semana).

3. Após os 5 dias de descanso, prepare a calda: numa panela pequena misture a água com o açúcar. Leve ao fogo médio e deixe cozinhar até ferver e todo o açúcar dissolver. Transfira para uma jarra e deixe esfriar.

4. Junte a calda de açúcar ao pote com vodca e cascas de limão, misture, tampe e deixe descansar por mais 5 dias (se estiver com tempo, deixe descansar por 1 semana; o licor fica ainda mais gostoso).

5. Coe o limoncello; descarte as cascas e transfira o licor para uma garrafa. Deixe no congelador ou na geladeira para servir puro, bem gelado, ou preparar um drinque, como o limoncello spritz.


O limoncello pode ser armazenado na geladeira por até 3 meses.

Mas, essa é apenas uma receitinha básica, para se divertir e se aproximar do gostinho da Itália. Não deixe de provar o tradicional e original Limoncello nas cidades onde o licor foi criado. Será uma experiência incrível!

Aproveite e se apaixone pelos sabores incríveis que a Itália tem para lhe apresentar!

Temos serviço de guia em português em toda região da Campânia, além de tours gastronômicos para conhecer e degustar a região. Ainda é possível conhecer uma fazenda de limões tradicional em Sorrento e uma fabrica de Limoncello com o motorista que fala português! Consulte!!!!

Sobre Deyse RibeiroDeyse Ribeiro é natural de Minas Gerais, mas vive na Toscana desde 2007. Fez curso de sommelier na FISAR, master em Wine Expert (Academia del Gusto) e Guia Enológica na Itália. É empresária, guia de turismo, especialista em turismo de experiência na Itália, além de editora do Portal Tour na Itália, e deste site.

13 comentários em “A História do Limoncello”

  1. Maria Jose Schimini dos Santos

    Encantada com essa beleza ,o Limaocelo,apaixonei,e tambem pelo currículoda Deyse Ribeiro,um orgulho uma mineira tão bem representada nesse país tão lindo a Italia,que sonho conhecer,obrigada!

  2. Maxwell castro silva

    Bom diaa! Muito interessante a matéria do limoncello. Me apaixonei pela Itália desde dia que comecei trabalhar para italiano. E lá servia limoncello de cortesia assim como fazem na Itália.

  3. Nestor Rigatti

    Aprendi a fazer limoncello faz um ano. Já fiz várias vezes. É espetacular, tanto como aperitivo ou digestivo
    Nestor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *