Vinho Italiano

Guia para a rota vinícola do Franciacorta

A rota vinícola do Franciacorta, Strada del Franciacorta, fica a uma hora de carro de Milão leva você a um dos melhores espumantes da Italia, um dos segredos bem guardados do turismo de massa. 

Introdução

Franciacorta é uma região no norte da Itália famosa por sua produção de vinhos do tipo espumante, e uma das famosas regiões europeias a fabricar vinhos utilizando o método champenoise. Dentro dessa região foi criada uma rota, que permite aos visitantes conhecer e degustar os vinhos produzidos pelas diversas vinícolas, e ainda conhecer de perto as cidades e atrações do local.

Primeiramente, é importante compreender que Franciacorta é o nome da região vinícola, geográfica e também nome do vinho espumante. Como pode criar confusão, eu fiz um texto para melhor explicar, por isso, indico a leitura antes de continuar o texto sobre a estrada da Franciacorta,  texto é – Franciacorta, o que é?

Franciacorta é um espumante de método clássico que goza do reconhecimento DOCG, cuja produção é permitida no território homônimo da província de Brescia. Também conhecido como “o champagne italiano”.

As cidades onde é permitido produzir o Franciacorta DOCG são:  Paratico, Capriolo, Adro, Erbusco, Corte Franca, Iseo, Ome, Monticelli Brusati, Rodengo-Saiano, Paderno Franciacorta, Passirano, Provaglio d’Iseo, Cellatica, Gussago e parte das cidades de Cologne, Coccaglio, Rovato, Cazzago San Martino, Brescia, todas na província de Brescia.

 

Informações sobre a área da Franciacorta

  • A região de Franciacorta está localizada na província de Brescia, Lombardia, norte da Itália;
  • É banhada pelo Lago d’Iseo. que possui mais de 65 mil km²;
  • A região está distante 20 quilômetros de Bréscia, 40 quilômetros de Bérgamo e 90 quilômetros de Milão;
  • O clima da região, que inclusive contribui bastante com a qualidade do vinho, é do tipo continental, caracterizado por verões suaves e invernos bem frios.

Rota Vinícola do Franciacorta - Lombardia - Itália

Curiosidades sobre o vinho:

  • Hoje, quase 70% das 117 adegas da denominação estão certificadas como orgânicas ou em processo de conversão, o que confere a Franciacorta a maior porcentagem de produtores orgânicos de qualquer denominação do país.
  • Apenas 11% da produção anual de Franciacorta, de 17,4 milhões de garrafas, é exportada para todo o mundo. Essa porcentagem tende a aumentar, no entanto, à medida que a denominação continua a se distinguir de outros vinhos espumantes tradicionalmente elaborados.
  • Durante anos, Franciacorta foi comparado ao Champagne, porque os dois vinhos usam o mesmo método de fermentação em garrafa e variedades de uvas primárias – mas as comparações param por aí. As melhores Franciacortas têm identidade própria.
  • Se for a Franciacorta, por favor, não chame este de vinho de “espumante”, porque você corre o risco de ofender alguém; Basta chamá-lo de Franciacorta, porque as bolhas que se produzem nestas peças são únicas, graças ao método com que é obrigatória a sua produção, nomeadamente o da refermentação na garrafa, tal como o Champagne. Os produtores são tão orgulhosos disso que querem se manter distante dos “prosecco” e outros espumantes.

Rota Vinícola do Franciacorta - Lombardia - Itália

Um pouco da história da região Franciacorta

Inicialmente habitado por povos celtas, foi com os romanos que as videiras passaram a ser cultivadas na região, graças ao seu clima e solo favoráveis. Autores romanos clássicos já faziam menção ao fato. O plantio das videiras não parou com o fim do Império Romano, já que Ostrogodos e Lombardos não só continuaram, como expandiram a prática.

Ao longo do tempo, vários monastérios se estabeleceram na região, como San Salvatore, Colombaro, Timoline, Nigoline e Cluniac, entre outras, dando continuidade ao cultivo das terras da região. Aliás, acredita-se que foram os monges de Cluniac que levaram para lá as uvas cabernet e merlot, bem como o método de fabricação do espumante. Durante a Alta Idade Média, apesar de todas as guerras e conflitos políticos, Franciacorta se estabeleceu como uma das maiores produtoras de vinho do que viria a ser a Itália.

Existem duas versões para o nome “francacorta’‘. Uma aponta para a presença de vários monastérios de origem francesa, e por isso, era chamada de “Curtes Francae” que pode ser traduzido como tribunais monásticos franceses, ou mesmo pequena França. Há quem diga, porém, que o nome deriva do fato de que a produção do local era franca, ou seja, estava livre de impostos.

O vinho Franciacorta DOCG

O vinho produzido na região é um espumante que segue o método champenoise, muito utilizado na Europa nas regiões Champagne, na França, Catalunha, na Espanha, e  Franciacorta. Esse método consiste em fazer o vinho passar por duas fermentações: a primeira em tanques de inox e a segunda dentro da garrafa. Além disso, o produto passa por um envelhecimento de 18 a 60 meses, dependendo do tipo de vinho.

Rota Vinícola do Franciacorta - Lombardia - Itália

Vamos à algumas informações sobre este vinho:

 Uvas: a produção é feita com uma mistura de uvas: Chardonnay, Pinot blanc, Pinot noir – máximo 50% e Erbamat – máximo 10%

Nesta região vinícola, é possível ainda a produção do seguintes tipos de vinhos:

  • Franciacorta DOCG
  • Franciacorta Satén DOCG
  • Franciacorta Rosé DOCG
  • Franciacorta Millesimato DOCG
  • Franciacorta Riserva DOCG

Com relação ao sabor, os vinhos apresentam as seguintes classificações:

  • Pas Dosé: vinho extremamente seco;
  • Extra Brut: muito seco;
  • Brut: seco, porém mas mais macio que o Extra Brut;
  • Extra Dry: macio
  • Sec ou Dry: menos seco e ligeiramente doce;
  • Demi-Sec: sabor bem adocicado, indicado para acompanhamento de sobremesas.

Com exceção do Satén, que é sempre Brut, todos os outros tipos apresentam todos os sabores listados. Os vinhos produzidos em Franciacorta possuem a certificação DOCG (Denominação de Origem Controlada) desde 1995.

 

Diferença entre Franciacorta e Prosecco?

Para saber mais, eu escrevi este texto e citei o Franciacorta: Qual a diferença entre Prosecco e Espumante?

  • O método – Franciacorta é um vinho espumante produzido com o método clássico ou Champenoise, um método de vinificação de bolhas diferente do utilizado no Prosecco, que obtém suas bolhas por meio do método Charmat. O motivo pode ser encontrado na referência da garrafa, que ocorre no método clássico. As leveduras, de fato, são mantidas em contato com o líquido por um certo período de tempo, uma operação que permite ao futuro Franciacorta se enriquecer com notas olfativas e olfativas. Em um Prosecco, no entanto, a referenciação na garrafa não ocorre e isso permite reduzir drasticamente o tempo de produção, em detrimento da complexidade do produto final.
  • A área de produção e as vinhas utilizadas também são diferentes nos dois produtos. o Franciacorta DOCG é produzido na província de Brescia a partir de Chardonnay e/ou Pinot Noir (é permitido usar também o Pinot Bianco até um máximo de 50%)
  • Tudo isso, é claro, flui para o que será o produto final. A Franciacorta possui bolhas finas e persistentes, com perlage fino e contínuo. O Prosecco, pelo contrário, terá uma bolha grossa. Para sentir a verdadeira diferença entre Prosecco e Franciacorta , você precisará aproximar o copo do nariz. Com o Franciacorta, você poderá distinguir claramente a presença de leveduras, doces, pão torrado, frutas secas. Com o Prosecco, as dicas serão limitadas a frutas e flores, especialmente frutas de polpa amarela e flores frescas.
  • O segredo dessas duas grandes diferenças – o olfativo – , e aqui nos referimos a um tópico abordado no início do artigo, reside precisamente nos dois métodos utilizados para a produção.

A rota vinícola do Franciacorta

“Rota do Vinho Franciacorta”nasceu em 2000, dez anos após a fundação do Consórcio para a Proteção do Vinho Franciacorta, que se ocupa em vez disso em garantir e controlar o cumprimento das normas de produção de vinho. Em pouco tempo torna-se uma das “estradas” mais famosas da Lombardia e da Itália, graças à incrível oferta de serviços e oportunidades inerentes a esta região.

A estrada Franciacorta é um caminho encantado entre a área do Lago Iseo margeada por Monte Orfano, Monte Alto e os rios Mella e Oglio e Brescia. São cerca de 80 km que percorrem 19 municípios da zona de Brescia com o objetivo de preservar, preservar e valorizar a cultura do vinho de Franciacorta. Viajar pela estrada Franciacorta significa fazer uma viagem pela história e tradição gastronômica e vínica da Lombardia. Os municípios que fazem parte da região histórica são Adro, Capriolo, Cazzago San Martino, Coccaglio, Cellatica, Colônia, Corte Franca, Erbusco, Gussago, Iseo, Monticelli Brusati, Ome, Paderno Francacorta, Paratico, Passirano, Provaglio d’Iseo, Rodengo Saiano e Rovato. 

Mas não é tudo: Franciacorta também produz vinhos apreciados como Curtefranca DOC (branco e tinto) e Sebino IGT , além de grappa de alta qualidade.

No entanto, Franciacorta também é uma terra de natureza, história e arte. O Parque Natural Torbiere, Monte Orfano e Monte Alto, o Parque das Cachoeiras de Monticelli, o Jardim Botânico das Coníferas, o próprio Lago Iseo são apenas algumas das características paisagísticas que compõem o quadro de Franciacorta.

A isto juntam-se todos os testemunhos histórico-artísticos deixados por quem nos precedeu e zelosamente guardados, como o Mosteiro de São Pedro de Lamosa, a Abadia de São Nicolau de Olivetana  o castelo de Bornato e o castelo de Passirano e todas as vilas patrícias distribuídas por todo o território.

Existem muitas formas de viajar: a comodidade de utilizar o automóvel permite conhecer passo a passo as diferentes realidades descritas acima, mas também são indicados métodos mais lentos, como o trekking e a bike. De fato, são inúmeros os itinerários concebidos para caminhantes apaixonados e entusiastas do ciclismo, o que certamente garante um conhecimento mais aprofundado do território e em contacto próximo com a natureza.

Itinerários na Rota do Franciacorta

De bike ou à pé:

Você pode percorrer a Rota do Franciacorta de diferentes maneiras, de carro, a pé ou de bicicleta. Se de bike, recomendamos as 5 ciclovias para visitar esta zona sobre duas rodas, no site oficial encontrará todos os detalhes e informações para percorrê-la. Alternativamente, você pode percorrer os itinerários à pé. A estrada divide-se em “cores” e “bolhas” no verdadeiro sentido da palavra: os percursos, de facto, levam o nome das mais conhecidas cores e vinhos Franciacorta.

  1. FRANCIACORTA EXTRA BRUT – CAMINHO PRETO – rota negra começa na Piazza della Loggia no centro da cidade de Brescia e segue seu caminho até a periferia ao longo de Urago Mella, entra nas aldeias de Cellatica, Gussago e finalmente Rodengo Saiano, passando pela Abadia de Olivetana, para retornar ao longo do país faixas no caminho de partida. O percurso segue e encontra o site do Parco delle Colline. É uma ciclovia pedonal adequada a qualquer pessoa e com duração de 2 horas e 30 minutos num percurso de 40km.
  2. FRANCIACORTA PAS DOSÉ – CAMINHO AZUL – rota azul parte da Abadia de Olivetana de Rodengo Saiano e leva, atravessando Monticelli Brusati, até Provaglio d’Iseo, até às magníficas turfeiras Sebino. Seguindo a ciclovia chega-se a Passirano atravessando os campos de Fantecolo, Monterotondo e Camignone onde é possível fazer uma pausa para degustação nas inúmeras vinícolas que encontramos ao longo do caminho. Também neste caso é um percurso de 30km adequado a todos e sem dificuldade, a ser concluído em cerca de 2 horas e 30 minutos.
  3. FRANCIACORTA SATÈN – ROTA AMARELA – rota amarela leva a descobrir a parte de Franciacorta que mistura a vinha e o lago. De Iseo, um percurso de 30 km nos leva a Clusane, ao longo da margem do lago, e depois de volta ao coração de Franciacorta através de Corte Franca, até Calino e Bornato.
  4. FRANCIACORTA BRUT – CAMINHO VERDE – rota verde explora a Franciacorta ocidental, segue ao longo do rio Oglio com um percurso circular que atravessa Paratico, Capriolo, Adro e Corte Franca, para fechar novamente no ponto de partida. Em Capriolo, paragem obrigatória para observar o rio Oglio, que corre por estas terras, e para visitar o Museu do Vinho Agrícola.
  5. FRANCIACORTA ROSÉ – ROTA VERMELHA – A última rota, a vermelha , nos leva ao sul de Franciacorta, conectando Erbusco, Rovato e Cazzago San Martino em um roteiro fechado. Em Erbusco podemos parar e visitar o Parque das Esculturas, ou deliciar-se com uma degustação de vinhos DOC associados a carnes e queijos produzidos nas fazendas locais.

De carro (como eu fiz)

A rota faz um longo percurso que corta toda a região. Você pode começar o caminho em Brescia e terminar em Iseo, ou vice-versa. As atrações listadas aqui são apenas uma sugestão, afinal, o caminho é longo e cheio de  locais interessantes. Veja um pouco do que se pode conhecer:

Castelo di Brescia

1. Brescia

Uma das extremidades da rota começa em Brescia, uma cidade muito antiga e cheia de história, e por isso, cheia de atrações interessantes. O centro histórico da cidade, tipicamente medieval, com suas ruas estreitas, já é uma atração. Por lá você encontra o Museo di Santa Giulia, instalado no local do antigo mosteiro de San Salvatore, e que apresenta uma área de quatorze mil metros quadrados. O acervo do museu exibe peças que vão desde o período celta, passando pelos períodos romano, lombardo e franco.

Próxima do museu fica a área arqueológica, com ruínas da antiga Brixium, o nome da cidade durante o período romano. É possível ver as ruínas do capitólio e do teatro romano. Um pouco mais ao norte, do alto da colina de Cidneo, fica o belíssimo Castelo di Brescia, construído no século XIII. Outros locais que merecem uma visita são o Museo delle Armi e a Pinacoteca Martinengo.

Cazzago San Martino – Foto: UNSIC

2. Cazzago San Martino

Em Cazzago San Martino temos a primeira vinícola da rota: a Montenisa, Priori (fotos abaixo) e Tenuta Ambrosini (fotos abaixo). Seguindo pela rota temos como pontos interessantes as muralhas do castelo Veneziano, em Roncato, as ruínas da Torre Romana, em Coccaglio. Em Erbusco você pode visitar a Chiesa Romana di Santa Maria Maggiore, uma igreja do século XI. Na pequena vila ainda está localizada uma das maiores vinícolas da região: a Ca Del Bosco.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Em Bornato, uma fração da cidade de Cazzago San Martino, fica o Castello de Bornato (foto abaixo). Nas antigas caves localizadas sob a torre principal do castelo, o vinho do Castelo do Bornato foi produzido durante 700 anos, até ao início dos anos 2000. Uma pequena área de museu abriga equipamentos antigos. Hoje a produção de vinho, foi descentralizada para acomodar máquinas modernas e seguir as técnicas mais avançadas em termos de vinificação orgânica.

Este slideshow necessita de JavaScript.

3. Provaglio d’Iseo

Nessa cidade vale a pena visitar o Monastério di San Pietro in Lamosa, um dos mais antigos e importantes da região. Construído entre 1083 e 1535, era ocupado por monges oriundos da Abadia de Cluny, na França.

Monastério di San Pietro in Lamosa

Lá também ficam as ruínas do Castelo di Provaglio d’Iseo e da Chiesa di San Rocco, além das vinícolas Bersi Serlini e Barone Pizzini.

4. Nigoline Bonomelli

Em Corte Franca estão localizados o Palazzo Torre, construído no século XVII,  bem como o Palazzo Monti della Corte. Os dois são utilizados para vários eventos, e podem ser visitados através de agendamento prévio. em pertinho dali, em Borgonato, fica a vinícola Berlucchi (foto abaixo), uma das maiores da região.

Este slideshow necessita de JavaScript.

5. Adro

Em Adro você pode visitar o Santuário Della Madonna Della Neve, fundado no século XVI e importante ponto religioso da região. Como herança do período medieval, temos a Torre de Pedra, construída sobre uma colina junto ao castelo, agora em ruínas.

Foto: comune di Adro

Mas as principais atrações de Adro são suas vinícolas. As vinícolas de Contadi Castaldi, Ronco Callino e Ferghettini estão entre as principais da região. As visitas incluem um tour guiado pelo local com explicações sobre o método de fabricação dos vinhos, além de uma degustação.

Em Torbiato (única fração do município de Adro), entre Erbusco e Adro, ficam as vinícolas Bellavista (fotos abaixo) e Torre di Corsini.

6. Capriolo

O Castelo de Capriolo foi fundado no século IX, sobre as ruínas de outras construções antigas, e das quais pouco se sabe. Esse castelo foi amplamente utilizado nas várias guerras que aconteceram na região ao longo do tempo, até ser abandonado por volta do século XVII. Atualmente o castelo está em poder das freiras ursulinas.

Em Capriolo também está localizada a vinícola Ricci Curbastro (foto abaixo), que além da visita e degustação de seus produtos, possui ainda um museu, o Museu da Arquitetura e do Vinho (foto abaixo). Único museu organizado por uma vinícola, apresenta artefatos que ajudam a contar a história da produção do vinho e de seus métodos de produção.

Este slideshow necessita de JavaScript.

7. Paratico

Paratico é uma cidade às margens do lago Iseo, e do rio Oglio. A cidade está muito próxima de Sarnico, do outro lado do lago (estão ligadas por uma ponte), e sua localização permite uma vista belíssima do lago. Não deixe de visitar a Torre Lantieri, remanescente do período medieval e que conserva sua arquitetura original.

Foto: VisitLakeIseo.it

Próximo dali estão as ruínas do Castelo de Paratico, das quais são visíveis as muralhas e algumas torres. Tanto o castelo quanto a Torre Lantieri são construções do século XIII, e faziam parte do sistema defensivo da cidade. Aqui também fica o Parco Oglio Nord.

8. Iseo

Em Iseo, uma das principais atrações é a vista do grande lago que banha a cidade, e da qual a cidade herdou o nome. É possível fazer uma visita de barco até Monte Isola, uma ilha dentro do lago.

Ainda no centro histórico fica o Castelo Oldofredi di Iseo, construído por volta do século XI pela família Oldofredi, e a Pieve di Sant’andrea, uma igreja construída originalmente no século V em pedra calcária. A entrada se dá por uma imponente torre, construída no século XII. As constantes intervenções ao longo do tempo deram a essa igreja uma aspecto inusitado, apresentando estilos arquitetônicos diferentes.

Listando então quais os “pontos interessantes”, fora as vinícolas claro, que estão na Strada del Franciacorta

  • Convento da Anunciação de Rovato
  • Abadia Olivetana de San Nicola em Rodengo Saiano
  • Reserva natural das turfeiras Sebino
  • Castelo Quistini de Rovato
  • Castelo de Passirano
  • Castelo paderno
  • Castelo de Bornato
  • Castelo Gussago
  • Castelo Carmagnola de Clusane

“Strada del Franciacorta”, um roteiro que permite a quem quer mergulhar na cultura desta região, percorrer caminhos que serpenteiam por vinhedos, vistas de tirar o fôlego. e sites de arte. Entre os tours de gastronomia e vinhos na Lombardia, destaca-se por ser um dos mais saborosos e interessantes de se realizar também do ponto de vista artístico e paisagístico, mas também culinário.

Vinícolas

São inúmeras as vinícolas para visitar, no site você encontrará a lista daquelas que permitem uma visita guiada com degustação. Ao selecionar o mapa das vinícolas , você pode escolher aquele que mais se adequa ao seu caso. As vinícolas não podem faltar no seu itinerário:

  • Ca ‘del Bosco
  • Barone Pizzini
  • Bersi Serlini
  • Berlucchi
  • Majolini
  • Contadi Castaldi
  • Castel Faglia
  • Ricci Curbastri
  • Bellavista

Uma estrada, portanto, que permite não só vivenciar cada recanto verde de Franciacorta, mas vivenciar verdadeiras emoções entre bons vinhos e produtos de sabor inimitável!

Rota Vinícola do Franciacorta - Lombardia - Itália
Berlucchi

Vale a pena percorrer a rota?

Percorrer a rota vinícola de Franciacorta é, sem dúvida, uma ótima opção de passeio. Um prato cheio para quem aprecia um bom vinho, pois tem a oportunidade de conhecer de perto as vinícolas, o seu método de produção e, claro, degustar o vinho da região, mas também para quem não é fã da bebida. Ao longo do caminho você verá belas e simpáticas cidades, lindas vistas, locais históricos e muita natureza. Vale muito a pena fazer esse passeio. Aproveite e leia os outros textos que escrevemos sobre a Lombardia, tem muitas dicas interessantes por lá.

As vinícolas apresentadas no texto são as mais conhecidas, mas Franciacorta tem muitas outras. São ao todo cerca de 117 produtores de vinho instalados na região. Com relação aos locais para visita, lembre-se de consultar os horários e condições, bem como as orientações de segurança em virtude da pandemia de Covid-19.

Festas Locais

Ao longo do ano, vários eventos são realizados na região de Franciacorta. Se sua visita coincidir com esses festivais, aproveite para conhecer também.

  • fevereiro/março: Sapor d’Olio di Rodengo-Saiano
  • março/abril: Festival de Carne da Lombardia em Rovato
  • abril:
    • Festival de San Giorgio di Capriolo
    • Festival do Manzo all’olio em Rovato
  • maio:
    • Franciacorta em Fiore di Cazzago San Martino
    • Fiorinsieme di Rovato
    • Corte Franca promove um festival de gastronomia
    • Festival dos Lagos de Iseo
  • junho:
    • Exposição de Agricultura Orgânica do Rovato
    • Clusane d’Iseo realiza o Festival da Tenca Assada
  • julho: Iseo Jazz – vários locais
  • setembro:
    • Festival Franciacorta, que além de promover o vinho e a gastronomia locais, ainda apresenta shows e atividades ao ar livre
    • A Canção das Pedras de Provaglio
    • Festa da Amoreira de Rodengo-Saiano
    • Brescia Motor Week de Cazzago San Martino
  • Novembro:
    • Festival do Manzo all’olio em Rovato
    • Festival do chocolate em Monticelli Brusati.

? Guia Prático

O que comer?

Uma vez em Franciacorta, não deixe de experimentar a cozinha local, cheia de pratos e produtos típicos. Por exemplo, a tinca ao forno, onde peixes são recheados e assados no forno e depois cobertos com molho e servidos com polenta, ou mesmo o manzo all’olio, um peça de carne bovina cozida lentamente em azeite. O cansoncei é uma massa que pode ser recheada de diversas formas, além do spieddo bresciano, um tipo de espeto de churrasco feito com várias carnes diferentes, além de batata e folhas de sálvia.

Entre os produtos típicos, temos os queijos, e um dos mais famosos é o robiola bresciana, um tipo de queijo branco de consistência macia, muito saboroso e parecido visualmente com o queijo brie francês. Outro queijo típico da região é o silter, um queijo salgado e bem consistente, produzido durante o verão. Luganega é uma linguiça feita com carne de porco magra, moída com banha, alho, sal e pimenta, com um tempo de maturação que pode variar de quarenta dias a quatro meses. Já a sopressata bresciana é um tipo de salame feito com carne de porco, vinho, sal, alho e especiarias.

Além do vinho, os produtores locais também produzem grappas feitas através da destilação do bagaço das uvas, e licores como o Genepy, feito com ervas locais.

quando ir?:

Você pode percorrer a Rota do Vinho em qualquer época, mas as melhores oportunidades estão na primavera e no outono. Uma boa oportunidade pode ser em junho, quando se realiza o Festival de Verão da Franciacorta (quando eu fui) na cidade, ou em setembro, por ocasião da Festa da Franciacorta na Cantina.


Como chegarMapa da Rota

A melhor forma de conhecer a região é de carro, pois assim você tem total liberdade de escolher o que quer ver, e fazer o passeio no seu tempo. Franciacorta pode ser acessada através da rodovia A35, que liga Bréscia a Milão, pela A4, que liga Bréscia a Bérgamo, e por diversas outras estradas secundárias. Se você pretende apenas visitar locais específicos, várias cidades da região possuem estações de trem. Há ainda as opções de ônibus, saindo das principais cidades da região.

No site oficial encontrará o mapa e os caminhos para percorrer a rota do vinho, as caves, os pontos de recepção e os locais para dormir ou acampar.

Galeria de Fotos:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Sobre Deyse RibeiroDeyse Ribeiro é natural de Minas Gerais, mas vive na Toscana desde 2007. Fez curso de sommelier na FISAR, master em Wine Expert (Academia del Gusto) e Guia Enológica na Itália. É empresária, guia de turismo, especialista em turismo de experiência na Itália, além de editora do Portal Tour na Itália, e deste site.

2 comentários em “Guia para a rota vinícola do Franciacorta”

  1. Antonio luiz vita souza

    Muito bom Deisy e util. Bem legal seus comentarios.
    Adorei a leitura.
    Estamos em lago de garda , em Maderno. Estamos pensando em passar um dia conhecendo a a regiao de Franciacorta. O que sugere de cidades e restaurantes para que facamos um passeio se umas 6 horas?
    Estamos pensando em ir entre os dias 17 e 28 de maio/22. Alguma festa em alguma cidade em algum dia desse periodo?
    Valeu e parabens

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.